Fonte: OpenWeather

    Política


    Tabosa entra com recurso para reaver o mandato

    A vereadora Glória Carratte (PSD), mesmo perdendo nas urnas, tomou posse do mandato na tarde da última terça-feira, 1º - Foto: Mário Oliveira
    O vereador cassado Ronaldo Tabosa (PP) afirmou que irá recorrer até a próxima sexta-feira (4) da decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), que determinou a perda de seu mandato por inelegibilidade. Tabosa foi eleito vereador da Câmara Municipal de Manaus (CMM) em outubro de 2012 com 6.418 votos, mas na véspera de tomar posse ao cargo recebeu uma intimação do tribunal, que repassou a vaga para a primeira suplente da coligação, Glória Carratte (PSD).
     
    Tabosa responde a um processo de 2008, onde foi acusado de ter elegido o filho, Jander Tabosa vereador usando o seu nome na propaganda eleitoral, mas segundo o advogado do parlamentar cassado, Yuri Dantas, essa questão já foi julgada pelo juiz do TRE-AM, Dimis Braga, que alegou apenas perda de mandato de Jander Tabosa e não a inelegibilidade de Ronaldo. "Com todo respeito que tenho à corte do tribunal, mas o juiz se equivocou. Meu cliente foi cassado sem ter amplo direito de defesa. Somente o Tribunal Superior Eleitoral poderia ter cassado Ronaldo", explicou o advogado.
     
    Yuri garantiu que deverá entrar com mais de um recurso relacionado à decisão do juiz plantonista Marco Antônio da Costa, e próxima segunda-feira, quando serão retomadas as atividades do tribunal, também deverá entrar com outra medida. "Não vou me adiantar dos recursos que vou utilizar por questão de estratégia, mas essa foi uma decisão absurda, e é certo que vamos recorrer em todas as instâncias", comentou.
     
    Tabosa foi notificado de que não iria assumir a cadeira da CMM no dia 1º de janeiro, horas antes da posse. Ele foi diplomado junto com os outros 40 vereadores no dia 18 de dezembro. Quem assumiu o mandato foi Glória Carratte, que não conseguiu reeleição, mas era a primeira suplente da coligação. "Eu concorri a uma eleição e fui escolhido pelo povo e a vontade da população é que deve prevalecer", disse Tabosa, indignado.
     
    Carratte esclareceu que não entrou com nenhuma medida para ficar com a vaga de Tabosa.