Fonte: OpenWeather

    calvície


    Tratamentos para calvície: alternativas não cirúrgicas

    Muitas pessoas buscam ‘curas milagrosas’ e compram toda a sorte de produtos que veem nas diversas mídias, mas, na maioria das vezes, sem sucesso

    | Foto: José Augusto Oliveira - Guto

    Manaus - Os cabelos são indispensáveis à estética global de cada pessoa. Por isso sua perda ou calvície gera desespero em quem imagina ficar sem o ornamento capilar. Muitas pessoas buscam ‘curas milagrosas’ e compram toda a sorte de produtos que veem nas diversas mídias, mas, na maioria das vezes, sem sucesso, visto que os tratamentos para calvície precisam de acompanhamento profissional.

    Causado em sua grande maioria por herança genética, o problema é cientificamente chamado de Alopecia Androgenética, nos homens, e Alopecia de Padrão Feminino, nas mulheres. Surge nos homens antes dos vinte anos e nas mulheres, em geral, a partir da segunda década de vida.

    Leia também:  Dietas com baixo consumo de carboidrato são prejudiciais à saúde

    Neles, a calvície é percebida geralmente na parte frontal, com as chamadas ‘entradas’ e no centro da cabeça. Já nas mulheres surge de forma difusa e em muitas ocasiões é negligenciada.

    A alopecia de padrão feminino, porém, deve ser diferenciada de outras formas de queda de cabelos, decorrentes de fatores alimentares, hormonais, infecciosos ou por stress. Daí a importância do diagnóstico adequado realizado por um dermatologista.

    E quais as formas de tratamentos?

    Entre as alternativas mais comuns estão os medicamentos Finasterida e Minoxidil, para os homens, e o uso de drogas que competem com a testosterona para as mulheres. Mas, hoje em dia, dispomos de tecnologia de ponta com equipamentos laser e luz emitida por diodo, que produzem estimulação segura e eficaz para o crescimento dos cabelos. Intradermoterapia, microinfusão de medicamentos na pele e a terapia celular são técnicas que vem sendo introduzidas também com excelentes resultados.

    Recentemente, a aplicação de peptídeos e frações de proteínas vem surgindo nos principais congressos internacionais de dermatologia como substitutos do Minoxidil nos tratamentos para calvície. Algumas dessas terapias, inclusive, podem ser trabalhadas em conjunto, ampliando ainda mais os resultados.

    Dr. Ilner Souza/ Dermatologista e Membro da SBD
    Dr. Ilner Souza/ Dermatologista e Membro da SBD | Foto: Divulgação

    No entanto, são aconselhados também exames complementares que nos deem elementos para saber se há necessidade de fazer alguma reposição, como, por exemplo, de vitaminas, ferro ou mesmo hormônios e outros elementos que podem estar potencializando essa queda de caráter genético.

    Novidades

    Além das alternativas já citadas, uma grande novidade para o problema da calvície é a utilização do plasma rico em plaquetas, feito a partir do próprio sangue do paciente. No processo, o especialista colhe o sangue, centrifuga e separa o plasma rico em plaquetas que será injetado na área a ser tratada. Esse produto é rico em fatores de crescimento que induzem o crescimento capilar.

    A utilização de células-tronco, oriundas da gordura do próprio couro cabeludo e retiradas da região posterior da cabeça, região resistente à doença, é outra novidade. Primeiro se faz uma biopsia e em seguida o material colhido é processado e o resultante é injetado na área afetada pela calvície.

    Estas duas tecnologias são promissoras e são os novos avanços em procedimentos realizados em consultórios apresentados nos principais congressos internacionais de dermatologia e terapia capilar.

    Leia mais: 

    Alimentos fontes de gordura podem ser aliados da saúde cardiovascular

    Fez exames no Hemoam? Resultado agora está na internet

    É possível (e seguro) engravidar após um câncer de mama?