Fonte: OpenWeather

    Restrição de medicamentos


    Pacientes com Covid-19 devem evitar anti-inflamatórios, alerta MS

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou atrás na declaração contra o uso de ibuprofeno para casos de Covid-19, mas o Ministério da Saúde mantém a restrição

    O medicamentos devem ser evitados
    O medicamentos devem ser evitados | Foto: Reprodução

    Manaus -  A afirmação feita pelo ministro da saúde da França Olivier Verán, na segunda-feira (16), com base em estudo científico da revista “The Lancet”, acendeu o alerta sobre o uso de anti-inflamatórios como o Ibuprofeno, Cortisona e Tiazolidinediona para o tratamento contra o Covid-19.

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou, na última terça-feira (17), que pessoas com sintomas não podem ingerir Ibuprofeno, a decisão foi avaliada e liberada após informarem nesta quinta-feira (19) que "não tem conhecimento de efeitos negativos do medicamento". O medicamento mencionado aumenta os níveis do receptor e facilita a entrada do vírus nas células, esta afirmação é da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) que também emitiu nota com orientações. O Ministério da Saúde mantém a restrição.

    Veja a nota na íntegra:

    "Em vistas ao conhecimento do envolvimento da enzima conversora de angiotensina 2 (ECA-2) na fisiopatologia da infecção pelo coronavírus, especula-se que a modulação dessa via poderia ser uma alternativa a ser explorada no manejo desses pacientes. A utilização de fármacos como os inibidores de enzima conversora de angiotensina (iECA) e os bloqueadores de receptores de angiotensina (BRA), assim como o uso de tiazolidinodionas e de ibuprofeno resultam em elevação dos níveis da ECA-2.

    Os dados disponíveis até o momento alertam que os pacientes infectados com o novo coronavírus que tenham diabetes ou hipertensão ou insuficiência cardíaca e estejam em uso de iECA ou BRA devam ser acompanhados adequadamente. Em não havendo evidências definitivas a respeito da associação entre o uso desses fármacos e maior risco da doença, a SBC recomenda a avaliação individualizada do paciente em relação ao risco cardiovascular da suspensão dos fármacos versus o risco potencial de complicações da doença."

    Embora houvesse o alerta, outros países criticaram a menção do ministro francês. Segundo ele, falta comprovação científica além do que foi publicada pela revista especializada em assuntos dessa natureza. Especialistas recomendam que a população deve evitar o medicamento.

    É possível que haja a relação entre o uso do medicamento e a piora dos quadros de infeções por coronavírus. A situação será avaliada na União Europeia através Comitê de Avaliação de Risco de Farmacovigilância da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

    Pessoas com doenças infecciosas que fazem o uso de anti-inflamatórios podem ter diversos riscos, pois a medicação tende a diminuir a resposta do sistema imunológico.

    A recomendação é para que pacientes com casos confirmados de coronavírus não façam o uso de anti-inflamatórios, mas os que já fazem o uso de Ibuprofeno e outros medicamentos com o objetivo de aumentar os receptores ECA2 não podem parar o de tomar o medicamento sem acompanhamento médico.

    É possível que haja a relação entre o uso do medicamento e a piora dos quadros de infeções por coronavírus
    É possível que haja a relação entre o uso do medicamento e a piora dos quadros de infeções por coronavírus | Foto: Divulgação

    OMS volta atrás na declaração

    A nova recomendação da OMS declara estar ciente das ações do uso de anti-inflamatórios e que não há relatos de efeitos negativos de pessoas que ingeriram a medicação contra o Covid- 19

    “A OMS está ciente das preocupações sobre o uso de anti-inflamatórios não esteroidais (isto é, ibuprofeno) para o tratamento da febre em pessoas com Covid-19. Após uma rápida revisão da literatura [pesquisas científicas], a OMS não está ciente dos dados clínicos ou de base populacional publicados sobre esse tópico. Não temos conhecimento de relatos de efeitos negativos do ibuprofeno, além dos efeitos colaterais conhecidos usuais que limitam seu uso em determinadas populações", afirmou em nota. 

    Profissionais alertam 

    Segundo a diretora-presidente da FVS-AM, Rosemary Costa Pinto, a automedicação não é recomendada em nenhum caso e que pessoas ao apresentarem os sintomas procurem o sistema de saúde para a realização de exames. 

    "Na verdade, os estudos recentes publicados estão dando conta de que pacientes que têm tomado esse tipo de anti-inflamatório (ibuprofeno) vem desenvolvendo formas mais graves da doença. Quem vai avaliar o custo-benefício de usar ou não o ibuprofeno é o médico. Nós não recomendamos qualquer tipo de automedicação. A pessoa precisa passar por um médico, que vai fazer a avaliação, que vai avaliar todas as suas doenças de base e a necessidade de usar ou não de qualquer tipo de medicamento", esclareceu Rosemary.

    Sobre a grande procura de Vitamina C nas últimas semanas, o infectologista e diretor-presidente da Fundação de Medicina Tropical (FMT), Marcus Guerra explica que o uso excessivo dos medicamentos também é prejudicial. 

    Especialista alerta para o uso excessivo de Vitamina C
    Especialista alerta para o uso excessivo de Vitamina C | Foto: Bruna Oliveira

    "O uso exagerado de vitamina C pode causar problemas leves tipo náusea, diarreia e acidez renal. Mas o uso excessivo pode levar também, por ela se combinar com o cálcio, a formação de cálculos renais. O uso recomendado é utilizar entre 1g a 2g diárias, essa é a quantidade suficiente para funcionar como o papel dela de antioxidante e imunomodulador. Isso na suplementação, porque os alimentos têm um pouco de vitamina C, mas não dá hipervitaminose. Duas maneiras de se proteger da Covid-19 é evitando a infecção ou evitando que a infecção vire doença.O uso da suplementação de vitamina C atua como suporte para o sistema imunológico, que dará uma resposta melhor para uma possível infecção", ressaltou.

    Confira os remédios que contêm ibuprofeno:

    Advil, Algiflex, Algi-Reumatril, Alivium, Buprovil, Buscofem, Dalsy, Doraliv, Doraplax, Febsen, Ibuflex, Ibufran, Ibuliv, Ibupril, Ibuprofan, Ibuprofeno, Ibupromed, Ibuprotrat, Ibuvix, Iquego-Ibuprofeno, Lombalgina, Motrim, Novalfem, Otiun, Parartrin, Spidufen e Uniprofeno. 

     Veja o especial produzido pela WebTV Em Tempo:

    Coronavirus