Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    UEA desenvolve protetor de face para auxiliar no combate ao Covid-19

    Protetor é produzido em impressoras 3D, utilizando um plástico especial (polímero), capaz de impedir a contaminação

    O projeto foi desenvolvido pelo engenheiro mecânico Aristides Rivera Torres e pelos alunos Tânia Ramchandani e Ariel Amzalak Eremita | Foto: Divulgação

    Manaus – Com o intuito de apoiar os profissionais de saúde do Estado do Amazonas no período de crise causado pela pandemia do Covid-19, discentes e docentes da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), se reuniram para contribuir com a criação de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Um desses equipamentos, um protetor de face, que já está em fase de testes.

    O objetivo da iniciativa, apoiada pelo Grupo de Gestão Responsável pelo Plano de Contingência da UEA (Covid-19), é oferecer a estrutura da Universidade para dar apoio a centros de serviços, como Call Center e Telessaúde, além de envolver profissionais e estudantes de forma voluntária, no apoio à sociedade e contribuir com equipamentos que possam ser fabricados ou confeccionados em laboratórios.

    Cleinaldo Costa, reitor da UEA, explica que a máscara, chamada de protetor de face, surgiu no momento em que a instituição percebeu a angústia de muitos profissionais de saúde sobre o atendimento imediato aos potenciais portadores do Covid-19. “Como profissional de saúde e reitor dessa casa, vi a necessidade de desenvolvermos, com urgência e rapidez, alguns EPIs. Dentre eles, um protetor de face que efetivamente pudesse proteger todos que estão na linha de frente desses atendimentos”, esclarece.

    Cleinaldo Costa, reitor da Universidade Estadual do Amazonas (UEA)
    Cleinaldo Costa, reitor da Universidade Estadual do Amazonas (UEA) | Foto: Divulgação

    O reitor também conta como o processo ocorreu durantes as últimas semanas. “Levamos a demanda aos engenheiros da UEA para que eles produzissem um protótipo capaz de proteger, que seja útil e, sobretudo, que tenha um baixo custo de produção. Foi assim que nasceu essa máscara facial que, além de tudo isso, ainda oferece conforto”, pontua.

    Costa deixa claro que o interesse da Universidade é servir a comunidade como um todo, ou seja, esse material não será vendido. As máscaras serão produzidas em escala com o apoio do Governo do Estado e, eventualmente, com a ajuda de alguma empresa privada que se junte ao projeto. O desejo é que, o mais breve possível, toda rede de saúde pública do Amazonas receba o equipamento.

    O protetor é produzido em impressoras 3D, utilizando um plástico especial (polímero), capaz de impedir a contaminação. O projeto foi desenvolvido pelo engenheiro mecânico Aristides Rivera Torres, professor da EST/UEA; e pelos alunos Tânia Ramchandani, discente do curso de Medicina e Ariel Amzalak Eremita, discente do curso de engenharia elétrica.

    Tânia revela que, na fase inicial, a meta é produzir de 1,5 mil a 2 mil máscaras, justamente para auxiliar os profissionais que mais estão precisando, uma vez que existe a falta desse equipamento em diversas unidades de saúde do Estado. Ela também fala um pouco mais sobre as características do protetor.

    Tânia Ramchandani, discente do curso de Medicina da UEA
    Tânia Ramchandani, discente do curso de Medicina da UEA | Foto: Divulgação

    “Na hora de manusear, o profissional não precisa tocar em nenhuma superfície para montar esse equipamento, o que impede qualquer forma de contágio. Também fizemos pensando na higienização e reutilização deste material”, explica a estudante de Medicina.

    Ariel relata que está muito feliz com o envolvimento dos alunos e professores para produção de um material tão importante nesse momento de crise na saúde. “O mais bacana é o envolvimento dos discentes e a proatividade de todos em se voluntariarem perante o projeto. É muito bonito ver a comoção da diretoria e da reitoria na hora de produzir essas máscaras e entregá-las para a saúde”, finaliza.

    Ariel Amzalak Eremita, discente do curso de engenharia elétrica da UEA
    Ariel Amzalak Eremita, discente do curso de engenharia elétrica da UEA | Foto: Divulgação

    Na terça-feira (24), a deputada Mayara Pinheiro (PP), presidente da Comissão de Saúde na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), informou – durante sessão on-line – que a UEA tem condições, por exemplo, de produzir 240 mil máscaras e 5 mil capotes a cada dez dias. “São confeccionadas por dia, na UEA, 240 protetores faciais. Ou seja, em um cenário de explosão de casos, em 10 dias, a capacidade de produção é de 240 mil máscaras. Dessa forma, vamos oferecer produtos de qualidade aos nossos profissionais e qualificar ainda mais o atendimento deles”, aponta a deputada.