Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Corretores relatam aumento na procura por Planos de Saúde

    Aumento ocorre por conta do 'inchaço' na rede pública de saúde em Manaus e é percebido no dia a dia dos funcionários

    Corretores da capital amazonense afirmam que a procura aumentou desde o início da pandemia | Foto: Reprodução/Internet

    Manaus – Com o 'inchaço' na rede de saúde pública no Brasil e em Manaus por conta de pessoas acometidas pelo novo coronavírus, muitos estão procurando adquirir Planos de Saúde na rede particular. Seja pela busca por maior garantia ou melhor atendimento, corretores da capital amazonense afirmam que a procura aumentou desde o início da pandemia e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apresenta medidas para garantia dos atendimentos.

    Marcos Barbosa, corretor de seguros da Audax Gestão de Benefícios, afirma que percebeu um aumento na procura por Planos de Saúde, além de diversos clientes reivindicando uma diminuição nos preços. “Nesse sentido, algumas operadoras adiaram o reajuste, para que não existisse ainda mais reclamações. A única que optou por fazer mesmo assim foi a Hapvida”, explica.

    De acordo com o corretor, os clientes gostariam de uma diminuição nos preços
    De acordo com o corretor, os clientes gostariam de uma diminuição nos preços | Foto: Reprodução/Internet

    Thiago Chaves, representante autorizado e gerente comercial de um dos escritórios de vendas da Hapvida, também revela que houve um aumento na procura e confirma que houve sim reajuste. “Trabalhamos com diversos tipos de planos, uma vez que atendemos diferentes públicos, então não existe um valor único. De acordo com cada grupo, elaboramos as modificações”, esclareceu.

    Segundo Chaves, o dia a dia de trabalho mudou para todos. Ele afirma que as adaptações feitas pela empresa obedecem às diretrizes da Organização Mundial de Saúde (OMS) e que, por isso, todos os consultores estão trabalhando em casa, no sistema de home office. “Montei até um mini estúdio em casa para acompanhar o dia a dia dos consultores e fornecer palestras e treinamentos”, salienta.

    Thiago Chaves, representante autorizado e gerente comercial de um dos escritórios de vendas da Hapvida
    Thiago Chaves, representante autorizado e gerente comercial de um dos escritórios de vendas da Hapvida | Foto: Divulgação

    A corretora Lissianny França declara que, em seu cotidiano de trabalho, ela realmente percebeu um aumento na demanda. “Houve sim um maior interesse por parte dos clientes, uma vez que a maioria está observando o caos na rede pública pela falta de suporte. Muitos sentiram a pressão de não ter um Plano de Saúde”, diz.

    Ela conta que, mesmo assim, os hospitais particulares também têm limites para demandas de infectados por coronavírus, então pode ser que venham a ter problemas com a questão dos planos futuramente.

    ANS

    A assessoria da ANS relata que ainda não tem os dados de beneficiários do mês de março e abril e, portanto, não pode estabelecer uma comparação com os meses anteriores para saber se houve uma queda ou um aumento na demanda por Planos de Saúde após o início da pandemia da Covid-19.

    A Agência também afirma que, nesse ano de 2020, ainda não foi definido o índice de reajuste anual dos Planos de Saúde individuais e familiares.

    Agência Nacional de Saúde Suplmentar (ANS)
    Agência Nacional de Saúde Suplmentar (ANS) | Foto: Gabriel Monteiro

    Além disso, a ANS lançou diversas medidas e orientações desde o início da pandemia para preservar os beneficiários dos ricos de contaminação e contribuir para que a rede conveniada das operadoras possa priorizar os atendimentos aos casos mais graves da Covid-19. “A ANS está alinhada com as demais autoridades de saúde do país para colaborar da forma mais efetiva possível contra o coronavírus”, informaram em nota.

    Segundo a assessoria, as principais medidas são: cobertura obrigatória para o exame de detecção da Covid-19; cobertura obrigatória para tratamento da doença, segundo segmentação do plano; prorrogação de prazos máximos de atendimento, priorizando casos de Covid-19; orientação para realização de atendimento à distância e viabilização da implementação da telessaúde; orientação para disponibilização de canais de atendimento específicos para esclarecimentos e informações sobre a doença; prorrogação de prazos de obrigações das operadoras; flexibilização de Normas Prudenciais e concessão de incentivos regulatórios mediante contrapartidas (renegociação de contratos e pagamento de prestadores).