Fonte: OpenWeather

    Coronavírus


    Pós-pandemia: cuidado deverá ser redobrado com os alimentos

    Na avaliação de infectologistas, a Feira da Manaus Moderna, do ponto de vista sanitário e levando em conta a exposição e acondicionamento dos produtos, é inadequada

    Sanidade de alimentos será grande preocupação | Foto: arquivo em tempo

    Manaus – A pandemia ocasionada pelo novo coronavírus fez com que diversas questões sobre higiene viessem à tona. Certos hábitos de limpeza ganharam mais atenção com a descoberta da Covid-19. O setor de venda de alimentos é um dos que está sendo impactado pelas orientações da saúde e, no pós-pandemia, a adequação à melhores condições sanitárias pode não ser atendida por conta da crise financeira que está atingindo diversos vendedores, afirma a infectologista.

    Higiene

    O infectologista e diretor da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Marcus Guerra, acredita que, com o fim da crise gerada pela pandemia, muitas pessoas poderão ser vítimas de dificuldades financeiras e os comercializadores de alimentos terão grandes dificuldades de cumprir com algumas regras necessárias para que não ocorra deterioração de produtos alimentícios, evitando assim toxi-infecções alimentares e contaminação por vetores.

    Infectologista e diretor da Fundação de Medicina Tropical “Doutor Heitor Vieira Dourado” (FMT-HVD), Marcus Guerra
    Infectologista e diretor da Fundação de Medicina Tropical “Doutor Heitor Vieira Dourado” (FMT-HVD), Marcus Guerra | Foto: Divulgação

    “Para que isso não ocorra, é necessário que o trabalhador do setor siga diversas recomendações de saúde e higiene, como limpeza completa do local de manipulação, separação de alimentos crus dos cozidos, conservação dos produtos em temperatura adequada, dependendo do que cada um necessita, entre outras medidas", explica.

    Segundo Guerra, os locais de vendas de alimentos em Manaus, salvo algumas exceções, não preenchem tais requisitos. Ele revela que, antes mesmo da crise ocasionada pela Covid-19, isso já era um problema e a situação pode piorar no cenário pós-pandemia, pois os vendedores vivenciarão problemas de renda. Isso dificultará a adequação a melhores padrões sanitários e de higiene.

    A situação sanitária pode piorar no cenário pós-pandemia, afirma Guerra
    A situação sanitária pode piorar no cenário pós-pandemia, afirma Guerra | Foto: Ione Moreno/Arquivo

    “Dessa maneira, o recado é para os consumidores: o cuidado deverá ser redobrado com os alimentos vendidos nas ruas de Manaus. Esses vendedores buscam uma alternativa de trabalho em razão da alta taxa de desemprego e, com isso, o número de pontos de venda se torna muito elevado, o que faz com que o órgão fiscalizador não consiga avaliar todos os locais”, explica Guerra.

    Em relação à Feira da Manaus Moderna(MM), o infectologista informa que, do ponto de vista sanitário e levando em conta a exposição e acondicionamento dos produtos, é inadequada. “Não há dúvidas que o órgão público responsável pelo funcionamento da feira deve proporcionar condições adequadas de funcionamento para a MM. Os permissionários necessitam urgentemente desse apoio”, salienta.

    Feira da Manaus Moderna
    Feira da Manaus Moderna | Foto: Arquivo EM TEMPO

    Negócios

    A empresa de consultoria CBRE divulgou, recentemente, um relatório com cinco tendências para o setor de alimentos no pós-pandemia. Segundo as informações, cinco principais mudanças devem ocorrer:

    1. Aumento de pedidos online de alimentos perecíveis

    O relatório observa que as entregas de supermercados devem aumentar. Por isso, as empresas precisarão de mais espaço para armazenamento de estoque. Os alimentos perecíveis e congelados, antes menos populares para entrega, serão cada vez mais solicitados.

    2. Mercearias locais precisarão de mais espaço de armazenamento e atendimento

    Com o aumento no volume de pedidos em supermercados locais, as lojas podem ficar sobrecarregadas e não ter espaço suficiente para lidar com a demanda. Esse cenário também criaria uma demanda por mais centros de atendimento.

    Os vendedores precisarão de mais espaço para armazenamento
    Os vendedores precisarão de mais espaço para armazenamento | Foto: Ione Moreno/Arquivo

    3. Os restaurantes também precisarão de estoques maiores

    O relatório também prevê que os restaurantes podem sofrer impactos permanentes. Isso porque o volume de pedidos para viagem ou delivery poderão ser maiores que o atendimento presencial. Como resultado, os restaurantes devem aumentar sua capacidade de armazenamento para atender à demanda.

    Estoques maiores serão exigidos
    Estoques maiores serão exigidos | Foto: Ione Moreno/Arquivo

    4. Empresas de armazenagem refrigerada terão maior consolidação

    As empresas de armazenagem refrigerada e as empresas que possuem grandes armazéns de alimentos começarão a ver uma consolidação, com demanda e preços maiores. Isso fará com que as maiores operadoras façam parcerias para construir redes de armazenamento próximas aos centros urbanos, reduzindo o desafio logístico de fornecer alimentos aos consumidores.

    Redes de armazenamento estarão mais próximas aos centros urbanos
    Redes de armazenamento estarão mais próximas aos centros urbanos | Foto: Ione Moreno/Arquivo

    5. Aumento da automação em estoques

    As empresas recorrerão à automação dos estoques para atender à demanda, permitindo que as indústrias continuem mais produtivas e com uma força de trabalho menor.

    Vigilância Sanitária

    A Vigilância Sanitária de Manaus (Visa Manaus) deu início, no dia 2 de maio, à fiscalização em mais de 60 bairros da capital como medida de enfrentamento ao novo coronavírus. Na ação, as equipes vão orientar estabelecimentos de produtos essenciais (alimentos e medicamentos) sobre medidas de higiene, além de inspecionar serviços para verificação do cumprimento das recomendações emitidas pelas autoridades sanitárias.

    As equipes vão orientar estabelecimentos de produtos essenciais (alimentos e medicamentos) sobre medidas de higiene
    As equipes vão orientar estabelecimentos de produtos essenciais (alimentos e medicamentos) sobre medidas de higiene | Foto: Divulgação/SEMSA

    “Com a nova abordagem, queremos fortalecer as ações de vigilância, ampliando os espaços de atuação permanente e intensificando o controle das condições sanitárias”, informa o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, destacando que, com a medida, a Visa Manaus também deve coibir com mais eficiência os serviços que descumprem a recomendação de suspensão temporária.

    A diretora da Visa Manaus, Maria do Carmo Leão, alerta que os estabelecimentos com irregularidades serão orientados quanto às medidas de adequaçãof e os que estiverem abertos de modo irregular, interditados.

    Até o momento da publicação dessa matéria, a assessoria da Visa Manaus não respondeu a demanda do EM TEMPO sobre a situação dos vendedores de alimentos no pós-pandemia.