Fonte: OpenWeather

    Quarentena


    Crises de ansiedade e ataques de pânico na quarentena: O que fazer?

    Especialistas relatam que o cenário caótico da pandemia, somado ao distanciamento e a mudança na rotina geram ansiedade e pânico na população

    Crise de pânico na quarentena: redobre os cuidados | Foto: Reprodução/Internet

    Manaus – Durante o período de isolamento social, por conta da pandemia gerada pela Covid-19, estudos comprovam que os problemas de saúde mental estão aumentando. Especialistas afirmam que a quebra na rotina é uma das principais responsáveis pelo aumento nos casos de ansiedade e explicam mais sobre alguns exercícios que podem ajudar nos momentos de crise.

    Um estudo da Universidade do Estado do Rio (Uerj), publicado online pela revista científica The Lancet, uma das mais conceituadas e antigas da área médica, revela que os casos de ansiedade e estresse mais do que dobraram, enquanto os de depressão tiveram aumento de 90%. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), os porcentuais médios esperados desses problemas na população são: estresse, 8,5%; ansiedade, 7,9%; depressão, 3,9%;

    Causas

    Segundo o psiquiatra Luiz Eduardo Wawrick, o distanciamento social e a quebra na rotina são capazes de gerar ansiedade e angústia em todos que estão em quarentena. “Além disso, as pessoas vivem com o medo de serem atacadas por um vírus invisível e tendo que lidar com uma grande quantidade de notícias ruins nas redes sociais e na televisão. Isso tudo se acumula e acaba gerando diversas preocupações”, descreve.

    As preocupações excessivas e o estresse causam desgaste emocional
    As preocupações excessivas e o estresse causam desgaste emocional | Foto: Reprodução/Internet

    Para a psicóloga Edilamar Batista, além disso, a falta de suporte emocional também pode ser um grande problema. “Quando estamos com dificuldades, geralmente buscamos suporte emocional no outro, ou seja, amigos e familiares. No entanto, com a pandemia, o outro virou uma ameaça. Não podemos arriscar nossa saúde chegando perto dessas pessoas e nem podemos arriscar a saúde delas. Com isso, somos invadidos por uma sensação de solidão, insegurança”, explica.

    A psicóloga afirma que, com o confinamento, a liberdade de ir e vir é retirada das pessoas e, com isso, o medo do adoecimento, as preocupações excessivas e o estresse vão desgastando emocionalmente cada um.

    A psicóloga Silane Araújo ressalta que, para quem já sofria com esses transtornos, o distanciamento é ainda mais complicado. Segundo ela, a ansiedade se agrava e o medo facilmente se transforma em pânico. “Até certo grau, a ansiedade é considerada normal, mas quando ela vem acompanhada de diversos sintomas fisiológicos mais sérios, precisamos ter atenção”, clarifica.

    O que fazer?

    Para Wawrick, não existe uma formula mágica para lidar com o momento, pois ele terá suas particularidades em cada pessoa. Contudo, o psiquiatra deixa claro que o ideal é manter a rotina, na medida do possível. “É preciso estabelecer horários para comer, trabalhar e, principalmente, dormir. Buscar fazer alguma atividade física e manter contato com amigos e familiares também pode ajudar”, salienta.

    A meditação pode ser uma boa alternativa para relaxar
    A meditação pode ser uma boa alternativa para relaxar | Foto: Reprodução/Internet

    Além disso, o médico aconselha exercícios de relaxamento, meditação e yoga para aqueles que encaram problemas com ansiedade. “Existem aplicativos que auxiliam com isso e, até mesmo, vídeos no Youtube que apresentam alguns exercícios de respiração para ajudar nos momentos de crise, pois aumentam a concentração”, explica.

    Edilamar declara que as pessoas precisam lembrar que o distanciamento é físico e não social. Ou seja, é essencial manter o contato com os amigos e familiares, mesmo que online. “Manter essa socialização é fundamental para auxiliar no controle de todos esses transtornos”, diz.

    O yoga também é uma prática que pode auxiliar no relaxamento e na melhora da saúde mental
    O yoga também é uma prática que pode auxiliar no relaxamento e na melhora da saúde mental | Foto: Reprodução/Internet

    Além disso, a psicóloga salienta que limitar o tempo que se passa lendo determinadas notícias e informações também pode ser muito benéfico para a saúde mental. Ela explica que, quando a mente se enche de notícias ruins, a ansiedade só aumenta.

    De acordo com Silane, o atendimento online é uma excelente ferramenta nesse momento, pois as pessoas em geral podem ter acesso e esses profissionais podem auxiliar com as crises. “Nada substitui o contato o humano, contudo, vivemos um momento novo em que qualquer ajuda é bem-vinda quando tratamos de saúde mental”, encerra.

    Atendimento em Manaus

    Semsa

    A determinação de isolamento social levou a Prefeitura de Manaus a reorientar os serviços de atendimentos psicológicos disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que poderão ocorrer de maneira virtual, por ser a forma mais segura e adequada ao momento, com o “Apoio Psicológico On-line”. O atendimento será inclusive aos feriados, sábado e domingo, das 8h às 16h, e de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h.

    Os atendimentos ocorrem por meio de acesso ao aplicativo de mensagens Whatsapp, garantindo o sigilo e a privacidade dos interlocutores. O acesso dos usuários aos números de contato para o “Serviço de Apoio Psicológico On-line” acontece via Chat Saúde On Line, que direciona o usuário aos telefones institucionais da Semsa, por meio dos quais os profissionais psicólogos dão início ao atendimento.

    UFAM

    A Universidade Federal do Amazonas (UFAM) também está oferecendo atendimento psicológico online. Os interessados podem entrar em contato direto com 15 psicólogos, das 9h às 12h e das 14h às 19h, de segunda a sexta-feira, por meio de e-mail ou WhatsApp. A ação é uma iniciativa da Faculdade de Psicologia da Universidade Federal do Amazonas e atende regulamentações dos Conselhos Regional e Federal de Psicologia.

    A procura é espontânea e o atendimento funciona, em ritmo de plantão, a partir da busca dos interessados durante os horários disponíveis. Cada sessão tem duração de até 50 minutos, com flexibilidade no atendimento, e respeita as demandas de cada sujeito. Não é necessário agendamento prévio.

    Atendimento psicológico gratuito
    Atendimento psicológico gratuito | Foto: Divulgação

    UEA

    A Comissão de Saúde Mental da Universidade Estadual do Amazonas (UEA) também está fazendo atendimento psicológico online. O atendimento é gratuito e é destinado para profissionais da saúde, acadêmicos e a população em geral.

    Ele será feito por escala e realizado por chamada telefônica ou vídeochamada, com duração média de 30 minutos. Caso uma linha esteja ocupada, o paciente deve aguardar o encerramento do atendimento em curso ou ligar para o profissional disponibilizado na escala.

    Atendimento psicológico gratuito
    Atendimento psicológico gratuito | Foto: Divulgação

    UniNorte

    A UniNorte oferece atendimento psicológico online para a população manauara. O acolhimento é totalmente gratuito e começou a ser feito na quarta-feira (1º). Segundo o coordenador do curso de Psicologia da UniNorte, Paulo Telles, o acolhimento tem o objetivo de amenizar o sofrimento psíquico que o isolamento social pode trazer às pessoas.

    Para solicitar o serviço, é necessário se cadastrar por meio deste formulário online. Os atendimentos ocorrem de segunda-feira a sábado, por videoconferência no aplicativo Hangouts, nos horários de 9 às 12h, 14 às 17h e 18 às 21h. Psicólogos do Centro Universitário serão os responsáveis pelo acolhimento, que será individual.