Pandemia


Hospital Delphina Aziz retoma atendimento a pacientes não Covid-19

A retomada do hospital para outras causas será gradual e avançará conforme os indicadores epidemiológicos da FVS

| Foto: Divulgação

Manaus - Com a manutenção na estabilidade de internações por Covid-19 em Manaus, o Governo do Amazonas vai dar prosseguimento ao plano de reabertura do Hospital Delphina Aziz, na zona Norte, para pacientes não Covid-19.

A partir de 15 de outubro, a unidade que, desde o início da pandemia, ficou exclusiva para internações de pessoas com o novo coronavírus, passará a receber também pacientes de outras causas encaminhados pela rede pública de saúde.

A meta inicial da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) é ofertar 12.524 consultas, 88.266 exames e 1.065 cirurgias eletivas ao mês para usuários da rede pública de saúde. A abertura da unidade está prevista no Programa Saúde Amazonas, que tem como objetivo reduzir filas e o tempo de espera dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

A retomada do hospital para outras causas será gradual e avançará conforme os indicadores epidemiológicos da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS). O objetivo da secretaria é ampliar a oferta de consultas, exames e cirurgias para atender a demanda que ficou reprimida na rede em função da pandemia. O hospital, no entanto, continuará com leitos específicos para Covid-19 e o avanço na oferta de serviços será conforme a taxa de ocupação de leitos.

O secretário de Estado de Saúde, Marcellus Campêlo, destaca que o plano de trabalho é praticamente o mesmo que estava previsto para setembro e que teve que ser adiado após dectar-se, a partir da segunda quinzena do mês passado, um pequeno aumento nas internações, seguido de nova estabilidade. Ainda segundo ele, a abertura se justifica pela demanda reprimida por exames, consultas especializadas e cirurgias em toda a rede pública. 

A unidade que, durante a pandemia, teve o número de leitos ampliado de 132 para 362, vai funcionar com toda a sua capacidade, usando os seis andares ativados pelo Governo do Estado, o centro cirúrgico, o hospital dia e o centro de diagnóstico. O hospital não será porta aberta e vai atender pacientes encaminhados de outras unidades pela Central Unificada de Regulação e Agendamentos (CURA). 

Para a Covid-19 serão mantidos 70 leitos de UTI e 112 leitos clínicos, com a perspectiva de aumento dessa quantidade. Conforme a secretária Executiva Adjunta em Política de Saúde, Nayara Maksoud, o plano de trabalho segue as orientações e medidas de controle determinadas pela FVS. 

Conforme o plano de trabalho, o Parque de Imagem será aberto para os serviços de apoio ao diagnóstico em 30 tipos de exames e procedimentos agendados pela CURA. Já o serviço de ambulatório clínico ofertará consultas em 26 especialidades adulto e pediátricas.

Cirurgias 

O Hospital Delphina Aziz também irá absorver a demanda da rede pública por cirurgias gerais, urológicas, proctológicas e ginecológicas. A unidade também terá leitos de hospital dia para procedimentos menos invasivos cujo período de internação é inferior a 12 horas – cirurgias urológicas, ginecológicas, vasculares, dermatológicas e a coleta de material para biópsia. 

Fisioterapia 

Entre as novidades da unidade está o serviço de fisioterapia para pacientes com sequelas de Covid-19. O Delphina Aziz será a referência na rede pública para atendimento de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) levando-se em conta que de novembro a maio é o período sazonal das doenças respiratórias no Amazonas.

*Com informações da assessoria


Leia mais:

Cientistas descobrem novo efeito do coronavírus em grávidas

Covid-19: Brasil tem 27.750 novos casos e 729 mortes em 24h

Número de operações de catarata dobrou no Brasil em dez anos