Fonte: OpenWeather

    Saúde masculina


    Diagnóstico precoce do câncer de próstata pode salvar vidas

    "Novembro Azul", em alusão ao câncer de próstata, reforça a necessidade da conscientização sobre a saúde masculina

    Segundo tipo de câncer mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele | Foto: Divulgação

    Manaus - É cientificamente comprovado: homens se preocupam menos com a saúde que as mulheres. Segundo estatística da Pesquisa Nacional de Saúde, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a proporção de mulheres que consultou um médico em 2019 foi de 82% contra 69% dos homens. Daí a importância de uma campanha como o Novembro Azul.

    Reforçando a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de próstata, a ação de conscientização foi criada 2003 e, desde então, vem informando milhares de homens todos os anos sobre a doença.

    Segundo tipo de câncer mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele, a doença, conforme estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA), deve atingir um total de 66 mil novos casos até o final do ano no Brasil.

    De acordo com a especialista Bárbara Melão, o diagnóstico da doença pode ser feito pela combinação da coleta do PSA (exame de sangue) com o toque retal
    De acordo com a especialista Bárbara Melão, o diagnóstico da doença pode ser feito pela combinação da coleta do PSA (exame de sangue) com o toque retal | Foto: Divulgação

    Para a médica urologista Bárbara Melão, da Uromed Manaus, é muito importante que exista essa conscientização, porque o câncer de próstata é uma doença assintomática, ou seja, sem sintomas em sua fase inicial. “É nessa fase que temos os maiores índices de cura”, disse ela. E os dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) confirmam: quando a doença se encontra nessa fase, a cura ocorre em aproximadamente 90% dos casos.

    Diagnóstico precoce

    De acordo com a especialista Bárbara Melão, o diagnóstico da doença pode ser feito pela combinação da coleta do PSA (exame de sangue) com o toque retal. “Infelizmente, mesmo que o exame de toque venha sendo desmistificado, ainda é considerado um tabu por uma parcela da população masculina. É importante a orientação aos pacientes em relação a esse exame, que, na verdade, é simples, rápido e indolor”, afirma a médica urologista.

    Para a SBU, o rastreamento do câncer de próstata deve começar a ser feito a partir dos 50 anos. No caso de pacientes com fatores de risco, como histórico familiar, a faixa etária cai para 45. Já em relação à Sociedade Europeia de Urologia, a orientação é ainda mais cedo. “A recomendação é que eles colham o PSA aos 40 anos e, a partir da análise desse valor, o rastreamento é individualizado para cada paciente”, finaliza a especialista.

    Lives informativas

    Para quem quiser saber mais e tirar suas dúvidas, o casal de médicos urologistas especialistas no assunto, Bárbara e Dimas Melão, realizará, ao longo do mês de novembro, uma série de transmissões ao vivo no Instagram, em parceria com a SBU  (@portaldaurologia) e a Sensumed Oncologia (@sensumedoncologia).

    Os temas incluem discussões sobre a saúde da próstata, com foco na prevenção, no diagnóstico e no tratamento do câncer.  A primeira delas vai ao ar nesta terça-feira (3), às 19h, no perfil oficial da SBU. A segunda e a terceira live do mês, desta vez com a Sensumed Oncologia, acontecem nos dias 5 e 19 de novembro. Para saber a agenda completa, acompanhe a Uromed Manaus nas redes sociais.

    *Com informações da assessoria

    Leia mais

    Hidratação: mantenha sua saúde nesse verão

    Conheça as diferenças entre cigarro eletrônico e convencional

    Médicos apontam riscos em se tomar semaglutida para emagrecer