Fonte: OpenWeather

    Medicamentos


    Uso regular de analgésicos aumenta risco de deficiência auditiva, diz

    São centenas de remédios que, se usados sem controle, trazem riscos para os ouvidos

    Medicamentos diuréticos, como furosemida e bumetanida, usados no tratamento de pressão alta e insuficiência cardíaca, também podem causar perda auditiva | Foto: Divulgação

    Apesar de ser muito comum as pessoas tomarem remédios para combater resfriados, febre ou dor de cabeça, a automedicação pode ocasionar um sério risco para a saúde, principalmente se isso for uma prática constante. Especialistas advertem que o uso prolongado de cerca de 200 medicamentos ototóxicos pode provocar zumbido, tonturas e perda de audição.

    O consumo regular (duas ou mais vezes por semana) de acetaminofen - mais conhecido como Paracetamol - aumenta em 99% o risco de deficiência auditiva em homens com menos de 50 anos; e em 38% em homens entre 50 e 59 anos. Para quem tem mais de 60 anos, o risco de perda auditiva é 16% maior. Esta é a conclusão de um estudo conduzido por cientistas da Universidade de Harvard, Hospital Brigham and Women, da Universidade Vanderbilt e da Massachusetts Eye and Ear (EUA), publicado no American Journal of Medicine .

    A pesquisa também mostrou que entre as pessoas que usam regularmente aspirina - indicada na prevenção de doenças cardiovasculares -, o risco de perda auditiva foi 33% maior em homens abaixo dos 59 anos. E entre os que usam com frequência anti-inflamatórios não esteroides, como o ácido acetilsalicílico, ibuprofeno e dipirona sódica, o risco foi 61% maior para homens abaixo dos 50 anos, 32% maior para a faixa entre 50 e 59 anos e 16% maior para quem tem 60 anos ou mais.

    Outro estudo, este conduzido pelo NUPES (Núcleo de Pesquisa e Extensão em Saúde), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), comprovou a relação entre o uso de anticoncepcionais e alterações auditivas. Foi observado que "os contraceptivos hormonais tendem a influenciar alterações do sistema auditivo e do sistema vestibular; ocasionando sintomas como zumbido e vertigem, porém, tais alterações dependem da dosagem administrada. Tais achados evidenciam que os contraceptivos estão diretamente relacionados à perda auditiva neurossensorial em mulheres".

    Medicamentos diuréticos, como furosemida e bumetanida, usados no tratamento de pressão alta e insuficiência cardíaca, também podem causar perda auditiva, principalmente se a pessoa tomar mais de um, durante o período de uma hora, segundo aponta relatório da ASHA (American Speech-Language-Hearing Association). A neomicina é outra droga também traz riscos à audição.

    Todos esses remédios podem causar lesões graves - algumas vezes irreversíveis - nas partes do ouvido humano responsáveis pela audição e pelo equilíbrio. Os efeitos da ototoxidade dos remédios são amplos e atingem indivíduos de todas as idades. As substâncias conhecidas como ototóxicas podem provocar perda neurossensorial, temporária ou definitiva, de grau variado (de leve à profunda), de acordo com o remédio, a dose ingerida e o tempo de tratamento.Muitas pessoas tomam remédios por conta própria, influenciadas pela indicação de vizinhos e amigos, mas esses medicamentos devem ser consumidos apenas sob prescrição médica.

    "Aconselho a quem suspeita de alguma dificuldade para ouvir que procure um médico otorrinolaringologista o mais rápido possível, para que o problema não se agrave. A perda de audição pode ter muitas causas: trauma acústico, infecções, idade avançada, mas pode ser conseqüência também do uso prolongado de um medicamento ototóxico", adverte a fonoaudióloga Marcella Vidal, da Telex Soluções Auditivas.Claro que, devidamente recomendados, esses remédios são essenciais no tratamento das doenças para os quais foram criados. Por isso, se o indivíduo sabe que está começando a tomar medicamento ototóxico, deve ser acompanhado por um profissional da área auditiva antes e durante o tratamento. O ideal é que, antes mesmo de tomar, sejam feitos exames para se verificar se já existe lesão auditiva que possa se agravar com o uso da substância.Quimioterápicos usados contra o câncer; antibióticos da família dos aminoglicosídeos (prevenção e tratamento de infecções pós-operatórias e contra tuberculose); além de antineoplásicos e antimaláricos também fazem parte da lista de remédios ototóxicos. É um dilema enfrentado pelos médicos. Até os bebês prematuros correm riscos, já que precisam tomar antibióticos para combater determinadas infecções respiratórias.

    A perda auditiva causada por medicamento ocorre quando a medicação prejudica as células sensoriais da cóclea, no ouvido interno. Alguns têm perda de audição temporária. Uma vez que a medicação é suspensa, a audição pode retornar. Outros remédios, no entanto, podem causar danos mais sérios, resultando em perda auditiva permanente. Portanto, é preciso cuidado e atenção!