Saúde


Primeiro dente: como diminuir o desconforto dos bebês

Especialista ensina pais a lidarem com a fase do nascimento dos dentinhos

A odontopediatra Mariângela Schalka explica que a possível dor da dentição é provocada pela liberação de substâncias da área de inchaço das gengivas e a erupção dos dentes | Foto: Divulgação

Irritabilidade, choro, noites em claro, falta de apetite e febre são alguns dos sintomas que, normalmente, correspondem a chegada de um novo dentinho. Temido por muitos, este período – que pode durar até os três anos de idade - é desafiador tanto para os bebês, quanto para quem cuida deles.

É esperado que o primeiro dente surja concomitante com o momento de a criança iniciar a introdução alimentar, por volta dos seis meses de idade, mas a cronologia da erupção dentária é individual e é possível encontrar bebês iniciando este processo aos quatro-cinco meses ou até um ano de idade. Por este motivo, é sempre indicado o acompanhamento regular do odontopediatra, que vai avaliar e apontar o que pode ser esperado para cada caso. 

Independentemente da idade, o desconforto é comum para a maioria. A odontopediatra Mariângela Schalka explica que a possível dor da dentição é provocada pela liberação de substâncias da área de inchaço das gengivas e a erupção dos dentes. Ou seja, no período que antecede a chegada do primeiro dente, a criança já está em um quadro desconfortável e com hipersensibilidade local, o que pode aumentar a produção de saliva e diminuir o apetite. “Antes mesmo do dente aparecer, é possível amenizar o mal-estar infantil, massageando delicadamente a gengiva do bebê após a amamentação”, explica.

Acordar frequentemente durante a noite, ter crises de choro repentinos ao longo do dia e quadro febril persistente, abaixo de 37,5 °C, também são sintomas que devem ser levados em consideração. “Cada criança tem um processo particular, mas três ou mais destes sinais podem sim anteceder a chegada de um novo dentinho. Por isso, é importante que os pais olhem a gengiva dos pequenos e analisem se há inchaço e vermelhidão”, recomenda.

Objetos oferecidos com temperatura inferior à da mucosa bucal aumentam o bem-estar, pois reduzem o processo inflamatório das gengivas. “Mordedores podem ser colocados no congelador alguns minutos antes de serem oferecidos para o bebê. Além de amenizarem a dor, anestesiando o local, a pressão do brinquedo ao ser mordido também provocará um alívio momentâneo”, Dra. Mariângela, que ressalta que alimentos frios são também uma alternativa paliativa.

Somado a essas mudanças na rotina do bebê, o uso de medicação adequada para o alívio dos sintomas da primeira dentição pode ajudar, especialmente na dor e irritabilidade. A Camomilina® C da TheraSkin é um medicamento fitoterápico, sem anestésicos sintéticos e com componentes naturais, indicado para alívio da inflamação e desconforto causado pelo nascimento dos dentes. 

“O fármaco à base de extrato de camomila e alcaçuz (Glycyrrcha glabra) e vitaminas C e D3, é eficaz, pois tem ação anti-inflamatória que reduz a coceira da gengiva e pode ser administrado a partir do quarto mês de vida, aliviando a irritabilidade do bebê”, explica. O modo de aplicação da Camomilina® C possibilita um momento de conexão amorosa entre o bebê e os pais, que potencializa seu efeito. 

*Com informações da assessoria