Saúde do homem


Amputação de pênis pode ser evitada com diagnóstico precoce de câncer

No Amazonas, a doença atinge principalmente homens entre 21 a 55 anos, devido à falta de informação e higiene

O diagnóstico precoce é fundamental para evitar a evolução do tumor
O diagnóstico precoce é fundamental para evitar a evolução do tumor | Foto: Reprodução

Manaus - O diagnóstico precoce do câncer pode evitar a circuncisão e/ou a penectomia – retirada parcial ou total – do pênis, que traz consequências físicas, sexuais e psicológicas ao homem. O homem deve ficar atento à saúde. 

O câncer de pênis é causado pelo Papilomavírus Humano (HPV) de alto risco associado a outros fatores, como a fimose e a não higienização adequada, explica o urologista da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), Giuseppe Figliuolo.

“O HPV oncogênico associado à fimose e não higienização (acúmulo de esmegma/secreção na glande do pênis) pode levar ao desenvolvimento de lesões precursoras e, quando não tratadas em tempo hábil, ao aparecimento da doença. Dependendo da evolução do câncer, são indicadas a circuncisão – uma cirurgia menor – e a penectomia, sendo essa mais invasiva e traumática para o homem”, alerta Figliuolo.

A população mais propensa a desenvolver esse tipo de doença é de homens com 50 anos ou mais. No Brasil, o câncer de pênis é mais comum nas regiões Norte e Nordeste, representando 2% de todos os tipos de câncer que atingem os homens, segundo o Ministério da Saúde (MS).

Na FCecon, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), são registrados em média 15 casos de câncer de pênis ao ano. Em 2017 e 2018, foram registrados, respectivamente, 8 e 13 casos. 

No Amazonas, a doença atinge principalmente homens entre 21 a 55 anos, devido à falta de informação e higiene.

Sintomas

São sinais de alerta: tumoração na glande (cabeça do pênis), na pele que encobre a glande, no corpo do pênis, secreção branca constante e aumento anormal do tecido da glande. Ao observar esses sintomas, o homem deve procurar avaliação de um médico urologista.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

Ejaculação precoce: distúrbio permanente ou temporário?

Hidratação: mantenha a sua saúde neste verão