Fonte: OpenWeather

    Dicas


    Massagem relaxante: principais benefícios para o organismo

    Veja os tipos de massagens e as dúvidas sobre quem pode ou não pode fazer a técnica

    É também por meio da massagem relaxante que aumentamos a temperatura do corpo e seu fluxo sanguíneo | Foto: divulgação

    Usando-se de movimentos leves, a massagem relaxante é uma excelente alternativa para o tratamento de dores musculares. Geralmente causadas por estresse, problemas de postura ou movimentos repetitivos, esses hábitos são prejudiciais, resultando em diferentes doenças. Dessa maneira, ela é uma ferramenta que promove o bem-estar, aliviando o desconforto das regiões mais afetadas. 

    É também por meio da massagem relaxante que aumentamos a temperatura do corpo e seu fluxo sanguíneo. Assim, reduzimos não apenas a tensão produzida pelos nervos, mas também as toxinas acumuladas nos músculos. Altamente benéfica, seus resultados ficam ainda melhores quando combinados a óleos e aromas terapêuticos, que potencializam suas sensações. 

    O que é a massagem relaxante? 

    Segundo o massoterapeuta Elizeu Santos, do LIFE - Instituto de Terapias Complementares, a massagem relaxante é uma técnica que mescla movimentos firmes e suaves sobre o corpo. Esses movimentos, por sua vez, estimulam a produção de hormônios relaxantes, como a ocitocina, que melhora o estresse e a sensação de medo, assim como a serotonina, que normaliza o humor, os batimentos cardíacos e a sensibilidade em relação à dor. 

    Tipos de massagem relaxante 

    Geralmente, todos os tipos de massagem promovem o relaxamento. Entretanto, dependendo do problema, algumas atuam com mais precisão, apresentando melhores resultados. Terapêuticas, elas colaboram com o funcionamento do organismo, ajudando com a recuperação de possíveis traumas. Conheça abaixo algumas delas, indicadas para diferentes tratamentos. 

    Bambuterapia: de acordo com Elizeu Santos, essa é uma técnica de origem francesa que usa bambus de diferentes tamanhos para fazer a massagem. Além de relaxante, também apresenta benefícios estéticos, isso porque reduz medidas, uma vez que promove uma espécie de drenagem linfática. 

    Massagem com velas quentes: também conhecida como Candle Massage ou Melted Candle, é realizada com a aplicação de cera derretida, entre 38°C e 39°C, diretamente sobre a pele. “Além de proporcionar relaxamento, também ajuda com a redução do estresse”, afirma o massoterapeuta. 

    Massagem com pedras quentes: terapia milenar, é uma das técnicas mais procuradas no Instituto de Terapias Complementares. O calor das pedras percorre suavemente a musculatura do corpo, esquentando e causando uma deliciosa sensação de relaxamento, aliviando as tensões e os sintomas da hiperatividade. 

    Reflexologia: bastante conhecida, é feita por meio de pequenas pressões nas zonas das mãos ou dos pés, para estimular ou desbloquear energias dos órgãos internos. Dessa forma, cada ponto tem um órgão correspondente e as zonas citadas servem como um minimapa para atuação no corpo todo. 

    Massagens relaxantes: contraindicações 

    Assim como outros procedimentos, a massagem relaxante também não é indicada para todas as situações. Pois, dependendo das circunstâncias, os movimentos aplicados podem agravar lesões ou pequenos traumas. Considerando isso, é preciso que o massoterapeuta tenha conhecimentos suficientes para tomar as melhores decisões de tratamento. 

    Dessa forma, em casos de diagnósticos duvidosos, a técnica é contraindicada. E entre as diversas situações de risco, Elizeu Santos destaca: febre infecciosa, hemorragias, flebite, descalcificações graves (osteoporose), trombose, fraturas não solidificadas, câncer, feridas abertas, queimaduras recentes e doenças mentais graves. 

    Então, seja como procedimento estético ou como terapia alternativa, a massagem relaxante previne doenças, melhora distúrbios e possibilita alterações biológicas importantes. Entretanto, para melhores resultados, procure sempre a orientação de um profissional, assim você desfruta das melhores experiências sem ter que lidar com sequelas futuramente. 

    *Com informações da assessoria