Fonte: OpenWeather

    Nova pandemia


    Próxima pandemia pode surgir na África ou até na Amazônia

    Novo coronavírus encontrado nos camelos já provou ser dez vezes mais mortal que a covid-19

    Camelo pode abrigar coronavírus dez vezes mais letal que a covid-19 | Foto: Divulgação

    Manaus (AM) - Autoridades de saúde pública querem descobrir a origem do novo coronavírus para que possam prevenir novos surtos. Pesquisas apontam que a Covid-19 tenha se originado em animais antes de atingir os seres humanos. Os morcegos já foram apontados como abrigo de vários vírus, inclusive a covid-19. Ao que tudo indica o Pangolim, mamífero encontrado na Ásia também já abrigava o vírus e pode ser o animal que passou o vírus para os seres humanos.

     

    Pangolim é apontado como o animal que trouxe a covid-19 para os humanos. Animal é vendido ilegalmente em vários lugares da china
    Pangolim é apontado como o animal que trouxe a covid-19 para os humanos. Animal é vendido ilegalmente em vários lugares da china | Foto: Divulgação

    Os cientistas presumem que é mais comum do que se imagina patógenos saltarem de um animal para as pessoas, como foi visto com outros coronavírus. Um destes já causou preocupação na Ásia em 2002: a síndrome respiratória aguda grave (SARS).

    Agora as autoridades se preocupam com um vírus identificado como Mers-CoV encontrado nos camelos. Ele foi descoberto na Arábia Saudita em 2012. E, até 2016, a Organização Mundial da Saúde (OMS) havia identificado 1.761 casos confirmados em laboratório de infecção com Mers-CoV, incluindo pelo menos 629 mortes relacionadas.

    Essa infecção provocada pelo vírus é a síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers, na sigla em inglês), um novo coronavírus que até agora provou ser pelo menos dez vezes mais mortal do que a covid-19. "Qualquer pessoa que esteja em contato com eles pode pegar essa infecção", contou a pesquisadora Millicent Minayo da Washington State University, nos EUA, que há dois anos vem colhendo amostras de camelos e pastores em Marsabit, no Quênia.

    Embora os camelos possam ser portadores, a ameaça da Mers para os humanos é causada sobretudo pelo homem. Como as mudanças climáticas induzidas pelo homem tornam as secas mais frequentes, prolongadas e severas, os pastores tiveram que trocar as vacas e outros animais por camelos, porque somente eles conseguem sobreviver semanas sem água.

     

    Camelo pode abrigar coronavírus dez vezes mais letal que a covid-19
    Camelo pode abrigar coronavírus dez vezes mais letal que a covid-19 | Foto: Divulgação

    Pandemia pode surgir na Amazônia

    Na Amazônia não é diferente. Para o ecólogo Philip Fearniside, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), é possível que a próxima pandemia possa surgir na Amazônia. “O desmatamento faz com que o homem e alguns animais se encontrem com mais frequência. Além do contato com eles por meio do ar, alguns ainda consomem a sua carne”, conta ele.

    Um artigo de Joel Henrique Ellwanger e 13 co-autores entre eles o ecólogo Phlip Fearnisde foi publicado nos Anais da Academia Brasileira de Ciências. O artigo, intitulado “Além  da perda de diversidade e das mudanças climáticas: Impactos do desmatamento da  Amazônia sobre doenças infecciosas e saúde pública”, fornece uma extensa revisão da  literatura científica sobre esse assunto. 

    “A grande variedade de patógenos desconhecidos na Amazônia fez com que o Brasil fosse considerado um 'ponto de acesso' para doenças emergentes”, conta Philip.

    Por enquanto ainda não se tem conhecimento sobre algum vírus na Amazônia que seja nocivo para os humanos. Apesar disso, o Ecólogo Philip lembra que aqui existem morcegos. “A única solução é não desmatar a Amazônia. Isso fará com que esses animais continuem no seu habitat natural e os vírus que eles carregam não chegue até nós”. 

    Leia mais

    Mais de 30 animais são resgatados de maus-tratos em canil de Manaus

    Leia história macabra de francês que comia bichos vivos sem engordar

    O perigo de ingerir alimentos contaminados: veja o que pode ocorrer