Fonte: OpenWeather

    Covid-19


    Youtube remove vídeos que recomendem uso de cloroquina e ivermectina

    Os medicamentos estão sendo recomendados mesmo sem a eficácia cientifica comprovada para o tratamento e prevenção da Covid-19

     

    A decisão veio após atualização das regras de conteúdo da plataforma
    A decisão veio após atualização das regras de conteúdo da plataforma | Foto: Reprodução


    O Youtube decidiu remover todos os vídeos que recomendem o uso de cloroquina e ivermectina para o tratamento de covid-19. Os medicamentos estão sendo recomendados mesmo sem a eficácia cientifica comprovada para o tratamento e prevenção da doença. A decisão veio após atualização das regras de conteúdo da plataforma. 

    A plataforma ainda lista que serão removidos vídeos que contenham os tópicos: tratamento, prevenção, diagnóstico, transmissão, diretrizes sobre isolamento social e a existência da covid-19. 

    "Na plataforma, também não é permitido o envio de conteúdo que dissemine informações médicas incorretas que contrariem as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) ou das autoridades locais de saúde sobre a covid-19", afirma as políticas de uso. 

    O Youtube ainda afirma que apenas os vídeos que contenham o contexto educacional, documental, científico ou artístico, não serão apagados. Além disso, algumas exceções poderão ser concedidas caso o objetivo do vídeo seja condenar ou combater as informações equivocadas que violam as políticas da companhia. 

    As informações que são consideradas incorretas pela plataforma, são as que incentivam o uso de medicamentos caseiros, orações ou rituais, no lugar do tratamento recomendado - ir ao hospital ou consultar um médico. 

    Vídeos que afirmam que há a cura garantida e o desencorajamento da  busca de orientação médica; informações incorretas sobre a transmissão e o diagnóstico; e os que negam a existência da pandemia, todos serão removidos. 

    *Com informações do Uol


    Leia mais: 

    Pandemia: Ministério da saúde recomenda que mulheres adiem gravidez

    Estudo mostra que mães vacinadas geram anticorpos contra covid-19

    Estudo comprova que novo coronavírus afeta o cérebro