Fonte: OpenWeather

    Mortalidade


    Covid-19: mortalidade de gestantes é mais que o dobro da média no país

    As gestantes registram uma taxa de letalidade de 7,2%, mais que o dobro da atual taxa de letalidade do país

     

    Os óbitos maternos em 2021 superaram o número notificado em 2020
    Os óbitos maternos em 2021 superaram o número notificado em 2020 | Foto: Ana Nascimento

    As gestantes e puérperas (mulheres que tiveram filhos há até 45 dias) registram uma taxa de letalidade de 7,2%, mais que o dobro da atual taxa de letalidade do país, que é de 2,8%, segundo o Boletim do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta sexta-feira (4).

      Segundo a Fiocruz, um estudo sobre a pandemia nas Américas, publicado em maio pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), verificou que, entre janeiro e abril deste ano, houve um aumento relevante de casos em gestantes e puérperas, e de óbitos maternos por covid-19 em 12 países.  


    Os especialistas alertam ainda que as gestantes podem evoluir para formas graves da covid-19, com descompensação respiratória, em especial, aquelas que estão em torno de 32 ou 33 semanas de gestação. Em muitos casos, segundo os cientistas, há necessidade de antecipar o parto.

    Esse quadro aumenta a preocupação em relação à disponibilidade de leitos de UTI adulto para essas mulheres e de leitos de UTI neonatal para os recém-nascidos, que podem ser prematuros. Os pesquisadores alertam que ambos precisam de cuidados especializados e imediatos.

      A partir de meados de 2020, começaram a ser publicados artigos sobre a morte de gestantes e puérperas por covid-19 no Brasil, alertando para a necessidade de preparação e organização de toda a rede de atenção em saúde.  

    De acordo como Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19, os óbitos maternos em 2021 superaram o número notificado em 2020. No ano de 2020, foram 544 óbitos em gestantes e puérperas por covid-19 no país, com média semanal de 12,1 óbitos, considerando que a pandemia se estendeu por 45 semanas epidemiológicas nesse ano. Até 26 de maio de 2021, transcorridas 20 semanas epidemiológicas, foram registrados 911 óbitos, com média semanal de 47,9 óbitos.

    * Com informações da Fiocruz

    Leia Mais 

    Para infectologista, se 'kit covid' fosse eficaz seriam menos mortes

    Amazonas já vive a terceira onda, aponta pesquisador 

    China registra 1º caso de gripe aviária em humanos