Fonte: OpenWeather

    IST


    Tem HPV? Saiba o que fazer para evitar o câncer e outros problemas

    O papiloma vírus humano (HPV) está presente em boa parte das pessoas que têm vida sexual ativa. O EM TEMPO ensina como lidar com uma das DST mais comuns. Sem medo, nem preconceito

    | Foto: divulgação

    MANAUS - Ter uma vida sexualmente ativa exige cuidados. A principal preocupação é quanto às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) causadas por vários tipos de agentes. Uma dessas DST é o HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano), um vírus que infecta a pele ou mucosas (oral, genital ou anal) das pessoas, provocando verrugas anogenitais (na região genital e ânus) e pode provocar até um câncer, a depender do tipo de vírus. A infecção pelo HPV é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST).

    Mas o que fazer quando se tem contato com o vírus?  Para o médico ginecologista e obstetra, Rodrigo Ferrarese, a primeira coisa a se fazer é manter a calma.



    "

    Quando as pacientes descobrem que têm HPV, no entanto, costumam ficar desesperadas e muito assustadas. Alguns fatores explicam essa reação. É que as informações sobre o HPV não são muito difundidas. Mesmo com tantos casos e sendo tão comum, trata-se ainda de um diagnóstico um tanto quanto desconhecido "

    Rodrigo Ferrarese, Médico ginecologista e obstetra

     



    Ferrarese conta também que muitas pessoas ao receber o diagnóstico de HPV, confundem com o HIV (sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana). “Muita gente ainda faz confusão entre HPV e HIV. Assim, ao descobrirem que têm HPV as pacientes se desesperam fazendo essa associação. Mas um vírus não tem nada a ver com o outro”.

     

    Verrugas podem surgir não só nas partes genitais, mas em outras partes do corpo
    Verrugas podem surgir não só nas partes genitais, mas em outras partes do corpo | Foto: Divulgação

    Segundo a diretora técnica da Fundação Alfredo da Matta (Fuam), médica Lucilene Sales, o HPV se manifesta por meio de pequenas rugas, nem sempre visíveis. “Normalmente a pessoa tem sintomas ou sinais que é a verruga. A verruga genital é a forma clínica de dizer que se tem HPV. Mas o vírus pode não se manifestar clinicamente. A pessoa pode ter HPV e não ter verruga, mas o HPV está lá. Isso é visto principalmente em mulheres porque a região genital delas é interna”, destaca a diretora técnica.

    Ferrarese destaca que o preservativo não é a total solução para evitar o contato com o vírus, apesar de que deve ser utilizada. “É importante lembrar que a camisinha encapa apenas o pênis. Caso o parceiro tenha alguma lesão no pênis aí sim o preservativo impedirá a transmissão. O problema é que a lesão pode estar na virilha ou na bolsa escrotal. A mulher, por sua vez, pode ter a lesão na vulva, uma área que também fica desprotegida durante a relação, mesmo com a camisinha”.

    A diferença entre ter o vírus e ter uma lesão causada pelo HPV

    Para Ferrarese, outro ponto importante que deve ser explicado é que existe uma diferença entre ter o vírus do HPV e ter uma doença causada pelo vírus do HPV.

    "

    O HPV é um vírus que a pessoa pode ter e nem sabe, ou seja, é algo com que podemos conviver sem grandes consequências. Em um menor número de pessoas, no entanto, o HPV pode causar alguma lesão "

    Rodrigo Ferrarese, Médico ginecologista e obstetra

     


    Ferrarese explica que o HPV gera lesões de alto risco e lesões de baixo risco. “As lesões de baixo risco são as verrugas. É claro que elas são feias e esquisitas e podem aparecer em qualquer parte da região genital, mas elas não são malignas. As lesões de alto grau, por sua vez, são as lesões encontradas no colo do útero. São aquelas que as pacientes não enxergam e que, se não tratadas, a longo prazo podem virar câncer de colo do útero. E quando falo em longo prazo é isso que quero dizer: você não passa a ter câncer da noite para o dia”.

    Tratamento

    Entre todos os especialistas ouvidos pelo EM TEMPO, é unânime a opinião de que o preservativo segue sendo um aliado para a não disseminação do vírus. Para Lucilene Sales o ideal também é a prevenção. 


    "

    Para as mulheres fazer todo ano, o preventivo de câncer, também conhecido como Papanicolau e para os homens observar a área genital. Tendo verrugas, tem que tratar "

    Lucilene Sales, diretora técnica da Fundação Alfredo da Matta (Fuam)

     



    Sales explica que se detectado, o tratamento pode ser feito de duas formas. “Normalmente se usa um remédio que é uma substância química ou a crioterapia que é o nitrogênio líquido. Isso é feito em algumas sessões, até a reversão, com a cura clínica das verrugas".

    Em Manaus o tratamento e diagnóstico podem ser feitos nas unidades básicas de saúde ou nas policlínicas. O Hospital Alfredo da Mata, a Fundação de Medicina Tropical e o ambulatório Araújo Lima também são hospitais que estão disponíveis para a população.

    Números

    Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), divulgados recentemente, mostram que o número de casos novos de câncer do colo do útero para o Brasil, no triênio 2020-2022, será de 16.590 ocorrências contra 16.370 no biênio 2018-2019. O EM TEMPO solicitou junto a Secretaria Estadual de Saúde (SES) a quantidade de pessoas que possuem o vírus em Manaus. Em nota a assessoria informou que não possui dados sobre HPV, uma vez que não é de notificação compulsória. 

    Leia mais

    Sexo anal: dicas para diminuir a dor e aumentar o prazer

    Candidíase de repetição: o que é e como se prevenir

    Confira os dez maiores inimigos do sexo no casamento