Fonte: OpenWeather

    Saúde da mulher


    Curso oferece capacitação gratuita sobre emergências obstétricas no AM

    O alvo da iniciativa gratuita são os profissionais na assistência ao pré-natal, ao parto e no trabalho com urgências e emergências, para diminuir índice alarmante de morte materna e neonatal

     

    O curso é gratuito e virtual
    O curso é gratuito e virtual | Foto: Reprodução

    MANAUS (AM) - Profissionais de saúde do Amazonas e demais estados da região Norte são público-alvo de curso lançado, neste mês, sobre Urgências e Emergências Obstétricas, de forma gratuita e virtual. A iniciativa, coordenada pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), será desenvolvida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (unidades do Amazonas e Pernambuco) e o Statera Cursos e Consultoria. As inscrições vão até 15 de outubro e já podem ser realizadas nas plataformas da Fiocruz. 

    Para o pesquisador do Laboratório de História, Políticas Públicas e Saúde na Amazônia (Lahpsa/ Fiocruz Amazônia), Julio Schweickardt, o Curso visa dar uma resposta educativa e pedagógica para as situações de mortalidade materna e neonatal na região Norte.

    No Brasil, o índice de morte desses dois grupos é considerado elevado, muito em função do pré-natal precário ou inadequado e da falta de condições seguras para o parto. Com a pandemia, a situação de mulheres grávidas (e de seus bebês) tornou-se ainda mais delicada.

    "

    O curso surgiu num contexto histórico de mortalidade materna, que foi agravado ainda mais por conta da COVID-19. Já tínhamos um cenário de início de pré-natal tardio e peregrinação da parturiente [mulher que está em trabalho de parto ou recém-parida]. Com a pandemia, a atenção básica sofreu muito mais e o pré-natal foi interrompido. Isso fez piorar a saúde materna "

    Camila Pimentel., explicou a socióloga e pesquisadora do Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz Pernambuco),

     

     “Vamos trabalhar temas que vão desde a importância de um bom acompanhamento de pré-natal, passando pelas variações mais comuns durante a gravidez e o manejo delas, o lido com as questões psicológicas e afetivas do parto e, claro, as urgências e emergências obstétricas”, destacou a pesquisadora.

    Todo o conteúdo foi idealizado e produzido segundo os pilares da humanização do parto, valorizando o protagonismo feminino e a atenção profissional.

     

    | Foto: Divulgação

    “Temos muitas lacunas na formação em saúde no Brasil, e já sabíamos disso, mas a pandemia tornou tudo muito mais evidente. O Statera, enquanto instituição, vem se destacando por seu papel para capacitação de recursos humanos com o diferencial de trazer uma formação baseada em evidências científicas”, salientou a médica ginecologista e obstetra, Melania Amorim, sócia do Statera. Ela afirma que o excesso de intervenções e de tecnologia não atua eficazmente na queda dos índices de mortalidade materna e perinatal, porque os profissionais não detêm o conhecimento, o domínio e as ferramentas de saúde mais atualizadas.

      O Curso é autoinstrucional e será oferecido de forma gratuita via Campus Virtual Fiocruz, na modalidade à distância. O corpo docente é composto por profissionais que atuam na área da atenção à mulher e também no ensino em saúde, todas com experiência prática e teórica.  

    Ao todo, serão disponibilizadas 500 vagas, e as aulas seguem até março de 2022.

    O UNFPA é um organismo da Organização das Nações Unidas (ONU) responsável por questões populacionais, sendo responsável por ampliar as possibilidades de mulheres e jovens levarem uma vida sexual e reprodutiva saudável.

    Serviço:

    O quê: Inscrições para o Curso Urgências e Emergências Obstétricas.

    Quando: 15/09 a 15/10/2021.

    Onde: bit.ly/3tEciBJ

    Investimento e Modalidade: gratuito, oferecido a distância, via campusvirtual.fiocruz.br/portal/

     *Com informações da assessoria

    Leia mais

    Aplicativo deve agilizar pré-cadastro de doadores de medula óssea

    Pfizer-BioNTech: vacina contra covid protege crianças de 5 a 11 anos

    Campanha alerta que família tem palavra final na doação de órgãos