×
Investigação

STF autoriza PF a ter acesso a provas de inquérito contra Bolsonaro

O ministro Alexandre de Moraes aceitou pedido da PF em caso de vazamento de dados no inquérito sobre milícias digitais

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que as provas contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) em investigação sobre milícias digitais antidemocráticas sejam disponibilizadas à Polícia Federal.

As provas produzidas contra o chefe de Executivo federal e aliados serão analisadas visando saber se existe uma milícia digital que tenha como objetivo atacar instituições democráticas.

O ministro acolheu um pedido da PF, feito pela delegada Denisse Dias Rosas Ribeiro, por entender que pode existir semelhança entre os modelos de atuação de grupos que são investigados em diferentes inquéritos.

“Verifico a pertinência do requerimento da autoridade policial, notadamente em razão da identidade de agentes investigados nestes autos e da semelhança do modus operandi das condutas aqui analisadas”, disse Moraes em decisão do dia 4 de fevereiro, divulgada nesta terça-feira (8).

TSE

No fim de janeiro, a delegada Denisse Ribeiro declarou em despacho que elementos colhidos em investigação apontam que o presidente Jair Bolsonaro teve “atuação direta, voluntária e consciente”, na prática do crime de violação de sigilo funcional.

O entendimento está no inquérito que investiga vazamento de dados sigilosos sobre ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

É nesse caso que Bolsonaro desobedeceu decisão do Supremo Tribunal Federal e não foi depor à PF presencialmente, no último dia 28.

O presidente é investigado por ter atacado a credibilidade das urnas eletrônicas, em transmissão ao vivo, embora não houvesse relação do ataque com o funcionamento das urnas.

*Com informações do Metrópoles

Leia mais:

STF e STJ cobram harmonia entre Poderes na abertura de 2022

PF indica crime, mas não indicia Bolsonaro em vazamento de dados

Ministério Público pede que TCU bloqueie bens de Sergio Moro

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.