×
ZONA FRANCA

Ataques sistêmicos à Zona Franca de Manaus terão reação

O governo federal reduziu em 25% o IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados no país

Deputado Marcelo Ramos
"Com a nossa reação à medida, ficou acordado que um novo decreto excluiria os produtos fabricados em Manaus." Diz Marcelo Ramos. - Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Manaus (AM) – Para trazer mais clareza do que está em curso contra a Zona Franca de Manaus, abordarei três medidas recentes muito prejudiciais ao Amazonas. O governo federal reduziu em 25% o IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados no país.

Com a nossa reação à medida, que retira a competitividade da ZFM, ficou acordado que um novo decreto excluiria os produtos fabricados em Manaus.

Há informações de que o novo decreto virá, mas com uma lista restrita de produtos e itens a serem protegidos.

Noutra ameaça, desta vez ao nosso Polo de Informática, o governo reduziu, em duas mexidas, em 20% o Imposto de Importação, o que torna mais barato às empresas, ao invés de produzir, importar um computador da China transferindo os empregos dos amazonenses e dos brasileiros àquele país.

Em mais uma demonstração de que há uma avalanche contra o nosso modelo econômico, um tribunal administrativo de São Paulo decidiu cancelar os créditos de ICMS gerados pela ZFM já reconhecidos o STF.

Os investimentos na indústria são de longo prazo, e essa insegurança jurídica pode fazer com que empresas que iriam se instalar em Manaus recuem e partam para outros locais e as que estão lá comecem com estudos comparativos para sair.

Muitos podem achar que não serão atingidos por nada ter a ver com a ZFM. Mas, reflita: sem os 500 mil empregos diretos e indiretos gerados pelo modelo, menos impostos arrecadados, tributos que financiam a saúde, a educação e a infraestrutura públicas.

Menos riqueza circulante atinge de profissionais liberais aos setores de serviços e o comércio, fruto do desemprego e da queda no consumo. Sem falar numa corrida que o fim da ZFM pode gerar às atividades predatórias da floresta.

A bancada amazonense no Congresso reagirá com medidas drásticas para contestar esses ataques, se necessário for, para defender os empregos dos amazonenses e dos brasileiros.

*Marcelo Ramos

Leia mais:

Zona Franca de Manaus: o susto passou

Alerta pela Zona Franca

Em Manaus, Lula defende a Zona Franca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.