×
ARTIGO

O cérebro na idade tardia

ARTIGO - Euler Ribeiro: "a partir dos 50 anos o cérebro diminui seu volume e passa a perder cerca de 4,5 gramas por ano"

O Cérebro é o órgão mais importante do sistema nervoso, ele é o grande responsável por todas as ações voluntárias e involuntárias do nosso corpo, já sabemos que ele não nasce pronto, ele evolui e só é finalizado aos 20 anos com sua plenitude de capacidade de processamento e armazenamento, porém ainda pode sofrer transformações e ser influenciado por fatores externos e ambientais.

Diversas pesquisas científicas realizadas na Inglaterra, Estados Unidos e França sobre a evolução do cérebro ao longo da vida constataram que durante a juventude cada hemisfério cerebral funciona independente. Com isso as informações que chegam através os órgãos dos sentidos tais como visão, audição, paladar sensibilidade tátil, térmica e dolorosa chegam através do sistema nervoso e ao chegar ao cérebro através dos axônios vão sendo armazenados em cada hemisfério cerebral constituído a “memória”.

À medida que você envelhece vão se acumulando tantas informações que o cérebro passa a funcionar como se fosse um bloco pétreo de um computador, assim a nossa máquina passar a buscar informações de uma forma mais lenta, passamos a tentar lembrar a fisionomia de uma pessoa, a imagem dos lugares mais comumente visitado, lições que se estudou na infância na juventude e ao longo da vida que com certeza estão guardadas, mas que afloram mais devagar.

O esquecimento seria então este fenômeno da ação dos dois hemisférios trabalhando em conjunto, porém com resposta bem mais lentas. De repente esta frase começa a fazer parte da sua rotina, “Eu vinha aqui para resolver algum problema, mas chegando aqui esqueci”. 

Vale lembrar que estes esquecimentos são normais e que em outros momentos a memória reaparece e o assunto retorna lentamente pela ação conjugada dos dois hemisférios do cérebro. A partir dos 50 anos de idade o cérebro diminui seu volume e passa a perder cerca de 4,5 gramas por ano, também perdemos diariamente os neurônios e com isto algumas memórias são perdidas, um nome, um acontecimento ou atos recentes.

O que diferencia o esquecimento comum dos sinais causados pelo Alzheimer é associar o esquecimento com as perdas ou redução progressiva das capacidades cognitivas, quando envelhecemos o nosso cérebro corre o risco de acumular uma proteína chamada beta amiloide que causa o enovelamento dos neurônios causando a doença de Alzheimer.

O esquecimento causado pelo Alzheimer leva o indivíduo a perder sua autonomia aos poucos, além dos esquecimentos, há a perda da atenção, e flexibilidade de pensamentos e com o tempo há perda de todas as capacidades cognitivas, a pessoa esquece pessoas próxima, perde a capacidade de ler e escrever, de andar sozinha, entre outras.

Por fim já sabemos que nosso cérebro pode ser estimulado durante toda a vida para melhor desempenhar funções cognitivas, devemos reduzir a carga de informações e dar tempo para o cérebro descansar, práticas como meditação, leitura e escuta de músicas clássicas podem nos ajudam a manter uma mente saudável, além de, claro, estar acompanhados de uma boa alimentação e atividades físicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.