×
Tuberculose

Curso em Manaus amplia diagnóstico da tuberculose latente

O treinamento prático vai envolver os profissionais que atuam nas UBSs

Manaus (AM)- Com o objetivo de ampliar a oferta dos serviços de diagnóstico e tratamento precoce da tuberculose latente, a Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), iniciou, nesta quinta-feira (7) o curso de “Aplicação e Leitura da Prova Tuberculínica”.

A programação, com a parte teórica do curso, foi realizada no Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), unidade Galileia, no bairro Cidade Nova, zona Norte, e teve como público-alvo 28 profissionais de sete unidades de saúde, que atendem a população na zona Norte, entre enfermeiros e técnicos de enfermagem.

O chefe do Núcleo de Controle da Tuberculose da Semsa, enfermeiro Daniel Sacramento, um dos instrutores do curso, explicou que a tuberculose latente ocorre quando uma pessoa é infectada pelo Mycobacterium tuberculosis, mas ainda não desenvolveu a doença ativa, e a prova tuberculínica é o exame que ajuda no diagnóstico desses casos, serviço que atualmente está disponível em 18 unidades de saúde da rede municipal.

“Pacientes com tuberculose latente apresentam risco de desenvolver a doença ativa no futuro, o que significa que também poderão ser agentes transmissores da doença em alguma fase da vida. Para evitar esse desenvolvimento, é importante diagnosticar a tuberculose latente, o que torna necessária a realização da prova tuberculínica, e iniciar o tratamento. A ampliação da oferta do serviço nas unidades de saúde é uma das estratégias da Semsa para reforçar o diagnóstico, o que é feito a partir de ações de Educação Permanente juntos aos profissionais que já atuam na rede de saúde, com o objetivo final de reduzir a incidência e mortalidade por tuberculose”, informou Daniel.

Os dados da Semsa apontam que, de janeiro de 2018 a fevereiro de 2022, 2.278 pessoas iniciaram tratamento para Infecção Latente da Tuberculose (ILTB) no município de Manaus, reduzindo a chances de desenvolverem a tuberculose ativa no futuro. Somente em 2021, 722 pessoas iniciaram o mesmo tratamento, um aumento de 384,5% em relação ao ano de 2018.

Conteúdo

O curso abordou os temas: “Por que investigar e tratar ILTB?”;  “Diferença entre doença ativa e infecção latente”; “Cenário da Tuberculose no Distrito Norte e Vigilância da ILTB”; “Prova tuberculínica: utilização, dosagem, conservação e técnica de aplicação e leitura”; “Fluxograma de investigação de contato”.

“Essa primeira etapa do curso envolveu a parte teórica, mas haverá a parte prática para a realização da prova turbeculínica, o que vai ser finalizado até o mês de junho”, informou Sacramento.

O treinamento prático vai envolver os profissionais que atuam nas Unidades Básicas de Saúde: José Figliuolo; Áugias Gadelha, Arthur Virgílio, Balbina Mestrinho, Sálvio Belota, Frei Valério e na policlínica José Antônio da Silva.

*Com informações da assessoria

Foto: Camila Batista/Semsa

Edição Web: Bruna Oliveira

Leia mais:

Estudo explica inflamação excessiva por Covid-19

Ministério da Saúde confirma primeiro caso de subvariante ÔmicRon

Oftalmologista alerta sobre cegueira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.