×
Editorial

Floresta vira cinzas

A derrubada da floresta envolve a perda de 1,5 milhão de hectares

Divulgação

Segundo números divulgados pela Global Forest Watch, ferramenta da organização não governamental WRI (World Resources Institute) em parceria com a Universidade de Maryland, nos EUA, o Brasil foi líder, em 2021, na perda de florestas tropicais no mundo, o que significa constatar que a Amazônia está virando cinzas.

A derrubada da floresta envolve a perda de 1,5 milhão de hectares, ou 15 mil quilômetros quadrados, valor menor do que o registrado em 2020, porém maior do que os números de 2018 e 2019.

Fabíola Zerbini, diretora de florestas, agricultura e uso do solo do WRI Brasil, sustenta que a expansão dos pontos com desmatamento é mais forte no Amazonas. Em nível nacional, o agronegócio é apontado como o principal vilão do desmatamento, aumentando bastante as emissões de gases-estufa.

“O mundo não vai atingir a meta climática de limitar o aquecimento global a 1,5°C se a Amazônia não for protegida”, afirma Zerbini, entendendo que o Brasil, por conta disso, se transformará em um dos grandes fatores que impedirão o mundo de cumprir as metas do Acordo de Paris a fim de evitar que a temperatura planetária suba para mais de 1,5°C.

Para evitar o pior, o governo brasileiro teria que executar, com urgência, um sério plano de combate ao desmatamento e às queimadas, em parceria com os governos estaduais, a fim de conseguir reduzir, drasticamente, as emissões de gases-estufa, o que não será provável devido à deliberada ojeriza governamental à causa ambiental. Pior para a Amazônia e para o planeta, infelizmente.

Edição Web: Bruna Oliveira

Leia mais:

Parceria por Manaus

Cerco se fecha no STF contra decreto que fere a competitividade da ZFM

A comida é o seu remédio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.