×
Cuidados

Imunologista dá dicas de como se prevenir da varíola dos macacos

A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com o animal, com humano infectado ou com material corporal humano com o vírus

Depois da pandemia da Covid-19, o mundo entra em alerta mais uma vez. A Monkeypox, ou varíola dos macacos, já tem casos confirmados em mais de 30 países. Aqui no Brasil, oito pessoas testaram positivo para doença: quatro em São Paulo, dois no Rio de Janeiro e dois no Rio Grande do Sul.

A varíola dos macacos não é uma doença nova. A transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com o animal, com humano infectado ou com material corporal humano com o vírus. Portanto, contato pessoal com secreções respiratórias, lesões de pele de pessoas infectadas ou objetos recentemente contaminados ajudam a transmissão.

As lesões se iniciam pelo rosto e depois se espalham para outras partes do corpo e genital, formando erupções cutâneas e bolhas com pus. A transmissão só termina quando a crosta desaparece. Além das lesões, a doença gera sintomas como febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, adenomegalia, calafrios e exaustão.

“Já temos oito casos confirmados no Brasil. É importante ficar atento aos sintomas e às lesões, que começam no rosto. O isolamento deve ser imediato, assim como o mapeamento das pessoas que tiveram contato com o doente. A liberação do paciente só pode acontecer após o desaparecimento das lesões”, explica Luiz Werber-Bandeira, imunologista/alergista e docente do IDOMED.

*Com informações da assessoria

Leia mais:

Ministério da Saúde confirma 8º caso de varíola dos macacos no Brasil

Ministério confirma mais um caso de varíola dos macacos no país

Unidades de saúde de Manaus estão em alerta para sinais e sintomas de varíola do macaco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.