×
Crescimento do AM

Boletim com cenário macroeconômico do AM é desenvolvido na UEA

Documento traz dados sobre o crescimento de vários setores econômicos nos últimos meses

Boletim macroeconômico do Amazonas
O relatório revela que o ritmo de crescimento econômico em dezembro foi mais forte e intenso do que na média da atividade brasileira, 6,73%, comparando com janeiro de 2021.- Divulgação

Manaus (AM) – Com o objetivo de traçar tendências baseadas nas investigações de dados mensais, trimestrais e anuais da economia amazonense, o Observatório Macroeconômico e Avaliação de Políticas Públicas do Amazonas (Omap/AM) – do curso de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) – divulgou a edição de março do Boletim Macroeconômico do Amazonas.

O relatório, organizado pelo professor mestre da UEA, Felippe Barros, revela que, no Amazonas, o ritmo de crescimento econômico em dezembro foi mais forte e intenso do que na média da atividade brasileira, 6,73%, comparando com janeiro de 2021.

A recuperação do Amazonas, no comparativo de dezembro de 2021 com meses anteriores até abril de 2020, também foi superior, cerca de 32,75% maior do que o período citado.

Embora o estado tenha apresentado três meses consecutivos de estagnação, de setembro a novembro, o ano de 2021 encerrou com alta de 2,56%.

Análises econômicas

O Boletim mostra que a atividade do comércio, que gerou cerca de R$ 9,5 bilhões, em 2019, e detém 8,79% da parcela de riqueza do estado, apresentou rápida saída da crise global promovida pela pandemia.

No mesmo ritmo, o mercado de trabalho apresentou dados bastante favoráveis para o país e para o estado do Amazonas.

Os resultados positivos da atividade econômica no geral (IBCR-AM e IBCBr), da atividade da Indústria (PIM-PF), que é a mais importante do estado, do setor de Serviços e do Comércio, refletiram o desempenho do mercado de trabalho no último trimestre de 2021, reduzindo o desemprego do país e da região.

A avaliação revela ainda que o setor de serviços, detentor de 22,24% de toda a geração de riqueza da região (excluindo o Comércio e a Administração Pública da contabilidade), tem buscado reverter os prejuízos da recessão de 2015-2016, mas ainda não conseguiu retornar para o mesmo nível de atividade de 2014.

O segmento abrange as atividades financeiras, de transporte, educação privada, artes e cultura, tecnologia da informação, comunicação, dentre outras.

Felippe Barros destaca que os dados apontam clara evolução e uma saída mais próxima da pandemia. Segundo ele, os indicadores de atividade econômica apontam evidente melhora em relação ao ano anterior, mas ainda há muito efeito carry-over (dados do passado em níveis muito baixos).

O professor enfatiza que a análise dessa dinâmica é importante para o Amazonas e permite aos formuladores de política econômica do estado adotar medidas que incentivem a criação de novos postos de trabalho, de transferências de renda e outros meios que ajudem a sociedade a melhorar os indicadores, mas com maior qualidade.

A Indústria, mesmo que tenha apresentado melhora em dezembro, aponta fragilidade na retomada da produção e em sua consistência, em janeiro. Comércio e Serviços já recuperaram completamente os prejuízos da pandemia e o mercado de trabalho aponta toda essa melhora por conta da redução da taxa de desemprego, com o setor de Serviços puxando boa parte da criação de postos de trabalhos efetivos e de carteira assinada”, disse.

Por fim, o Boletim justifica que o ritmo estagnado de algumas atividades econômicas brasileiras é explicado por diversas variáveis, dentre elas a inflação de 10,06%, que esconde o crescimento acima da média de diversos segmentos que impactam as decisões de consumo das famílias por afetarem o bolso diretamente.

Aí se incluem a Habitação, que teve alta de 13%, dos Transportes, 21%, dos combustíveis, 47,49% e do botijão de gás, 36,99%, que afetam sobremaneira a vida da população.

Além da inflação, que pressiona o bolso do consumidor, a renda média real caiu 7% em 2021, recuando há quatro trimestres consecutivos, de modo que preços maiores e renda menor têm inviabilizado o consumo das famílias.

Para maiores informações, clique no link abaixo:

https://pdfhost.io/v/9MmM~.toh_Boletim_Macroeconmico_do_Amazonas_UEA

*Agência Amazonas

FOTO: Reprodução

Edição Web: Bruna Oliveira

Leia mais:

Escola de Parintins aprova oito alunos no vestibular de Medicina da UEA

Estudo investiga extração sustentável de óleos essenciais no AM

Saída da Heineken de Manaus acende alerta para “debandada” na Zona Franca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.