×
Pesquisa

Estudo investiga extração sustentável de óleos essenciais no AM

Os óleos essenciais investigados na pesquisa, além dos usos populares, passados de geração em geração, são também utilizados pela indústria farmacêutica

Manaus (AM)- Investigar o potencial de exploração sustentável do louro inamuí (Ocotea cymbarum), espécie de árvore da região amazônica, para obtenção de óleos essenciais em várzeas no Médio Solimões, está entre os objetivos de um estudo apoiado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

O projeto de pesquisa, ainda em andamento, faz parte do Programa de Apoio à Interiorização em Pesquisa e Inovação Tecnológica no Amazonas (Painter), Edital nº 003/2020.

A pesquisa, intitulada “Investigar o potencial de exploração sustentável de Ocotea cymbarum para a produção de óleos essenciais nas várzeas da Amazônia Central”, está sendo desenvolvida em áreas de várzea da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (RDSM), nos setores Jarauá, Horizonte e Mamirauá, sob a coordenação da bióloga, doutora Darlene Gris, do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM).

O louro inamuí, tipo de árvore de bom porte, também é apreciado no mercado regional para produção de móveis e construção em geral dos ribeirinhos, desde que a extração da madeira seja de forma sustentável, segundo o IDSM.

De acordo com a pesquisadora, os resultados permitirão conhecer melhor os potenciais de uso do louro inamuí e as formas mais rentáveis e sustentáveis de obter esses óleos essenciais.

“Essas informações poderão auxiliar em futuros programas de manejo dessa e de outras espécies pelas comunidades ribeirinhas dessas localidades, trazendo uma nova fonte de renda baseada em produtos não madeireiros e mantendo a cultura dos ribeirinhos na obtenção de produtos naturais”, acrescentou.

A busca por esses óleos em diferentes partes das plantas (folhas, cascas e frutos) amplifica a chance de encontrar compostos de interesse, além de permitir buscar as fontes mais rentáveis e menos invasivas para a planta na obtenção das essências.

Utilização

Os óleos essenciais investigados na pesquisa, além dos usos populares, passados de geração em geração, são também utilizados pela indústria farmacêutica como matéria-prima para medicamentos, cosméticos e perfumaria.

Estudos anteriores já mostraram que dessa espécie pode ser extraído o óleo de sassafrás, que possui grande destaque por ser fonte de safrol, uma substância amplamente utilizada pela indústria farmacêutica, especialmente no tratamento de artrite reumatoide, doenças respiratórias, entre outros.

Outro exemplo na família Lauraceae é Aniba rosiodora, o pau-rosa, de onde se obtém o linalol, um composto muito usado na perfumaria, o que levou a espécie à categoria de ameaçada.

Os impactos econômicos, a prospecção dos óleos essenciais produzidos pela espécie, a compreensão sobre a qualidade, variação e sobre as possibilidades de exploração desses óleos de louro inamuí nas várzeas da Amazônia Central servirão como base para futuros estudos relacionados ao manejo não madeireiro da espécie, permitindo que as comunidades explorem esse recurso de forma eficiente e sustentável, conforme a pesquisadora.  

Reta final

A pesquisa em campo sofreu um atraso devido às restrições da pandemia, mas já está na reta final. Os inventários florestais foram concluídos, faltando apenas alguns meses de acompanhamento das fases fenológicas e uma das coletas de material (folhas, casca e frutos) para análise dos óleos essenciais na fase de cheia das várzeas.

Depois disso será iniciada a parte laboratorial para quantificação, identificação e análise dos compostos dos óleos essenciais, com previsão de terminar antes do fim deste ano.

FOTOS: Divulgação/Fapeam

*Com informações da assessoria

Edição Web: Bruna Oliveira

Leia mais:

Evento sobre plantas medicinais recebe apoio no AM

Jornada Amazônia 4.0 reabre inscrições

Pesquisadora organiza acervo de microorganismos da Amazônia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.