×
Tragédia

“Morreu por R$ 180”, diz sobrinha de segurança morto em shopping 

Segundo os familiares, Jorge Luiz Antunes estava trabalhando a pedido de um amigo e perdeu a festa de um dos netos

Divulgação

Rio de Janeiro (RJ) – Um homem de 49 anos chamado Jorge Luiz Antunes morreu com um tiro no rosto durante o roubo e tiroteio no Village Mall na tarde do último sábado (26). Ele trabalhava como segurança informal no shopping de luxo, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, e estava cobrindo o plantão de um amigo quando foi atingido pelos disparos que ocorreram após os bandidos tentarem roubar uma loja de joias.

A podóloga Kênia Cristina Antunes Honório, que é sobrinha do segurança, contou, em entrevista ao O Globo, que o tio era pai de quatro filhos e tinha quatro netos, dois meninos e duas meninas. Morador de Comendador Soares, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, ele deixou de ir ano aniversário de um dos netos para atender o pedido de um amigo.

“Era aniversário de um dos netos, ele não foi para cobrir um plantão e foi alvejado. Perdeu a vida por R$ 180. A diária do meu tio era R$ 180 e uma bolsa nesse shopping vale R$ 25 mil”

, disse Kênia ao jornal carioca.

“Isso não pode ficar impune, mais um nome para estatísticas. Hoje, temos uma família desestruturada. Ele fazia de tudo pela família”, lamentou.

De acordo com a sobrinha, Antunes não trabalhava uniformizado, era um segurança informal, que ficava à paisana na entrada do shopping. “Roubaram a joalheria, tinham seguranças com porte de armas e ninguém deu tiro, só os bandidos, que acertaram meu tio. Ele estava de calça jeans e touca”, explicou.

Ainda na entrevista, ela alertou que foi a primeira a saber sobre a morte de Jorge. “Os documentos e o celular dele sumiram. Estamos aguardando a liberação do corpo desde 6h30 no Instituto Médico Legal (IML). O shopping disse que nos apoiaria, mas até agora ninguém apareceu”, finalizou.

*Com informações do Metrópoles

Leia mais:

Esposa de Dom Phillips em funeral: “Seguiremos exigindo justiça”

Corpo do jornalista britânico Dom Phillips é velado no Rio de Janeiro

Mãe de menina impedida de abortar: “Achei que justiça fosse ser feita”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.