×
Pedido de ajuda

Menino de 11 anos liga para polícia e pede alimento para família

Ele vive com outros cinco irmãos e com a mãe em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte

Divulgação

Uma ligação para o 190 na noite da última terça-feira (2) chamou a atenção dos policiais em Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte. Do outro lado da linha, a voz era a de um menino de 11 anos que dizia estar “passando fome” com a mãe e os irmãos.

Acreditando ser um caso de maus-tratos, uma guarnição do 35º Batalhão da Polícia Militar foi até a casa da família. Ao chegar lá, porém, os oficiais constataram que as crianças estavam bem, mas que não havia alimentos.

“Eles estavam há três dias se alimentando somente com água e fubá”,

disse ao GLOBO o tenente Nilmar Moreira, responsável pelo envio da guarnição ao local.

“Os militares foram até um mercado e iam comprar alimentos com o dinheiro do próprio bolso, mas o gerente do estabelecimento ficou comovido e doou uma cesta básica”.

Identificada como Célia Arquimino, de 46 anos, a mãe da criança disse aos policiais que não sabia que o filho havia ligado e pedido ajuda. Segundo relatório da PM, ela disse estar desempregada e ser “beneficiária do Bolsa Família”.

O sustento dos filhos tem sido realizado por meio de trabalhos informais esporádicos e a ajuda de pessoas próximas, mas, de acordo com ela, o dinheiro não é suficiente para manter o próprio lar.

“Eu vivo com o auxílio emergencial e o pai (das crianças) manda R$ 250, mas não é todo mês (que recebo)”, contou Célia à TV Globo.

“Tudo tinha acabado há mais de 20 dias, mas ainda tinha um pouquinho de arroz e algumas coisas. Só que, há três dias, só tinha fubá e farinha”.

‘Vendo o desespero da mãe, só restou pedir ajuda’

Ao todo, Célia vive com cinco filhos e, segundo a ocorrência da Polícia Militar, não havia nenhum sinal de descaso ou maus-tratos contra as crianças.

No relatório, a casa da família foi descrita como “limpa e organizada”, apesar de aparentar ser humilde. Definida pela corporação como uma “situação inusitada”, o tenente Moreira destacou que, em 24 anos de profissão, nunca havia recebido um chamado deste tipo.

“Essa foi a primeira vez que recebemos uma ocorrência assim. Em 24 anos, nunca recebi um chamado desse, e não me recordo, nos seis anos em que trabalho neste batalhão, de ter visto um caso parecido. Acredito que a crise econômica tenha afetado as pessoas menos favorecidas e, vendo o desespero da mãe, aos prantos, só restou a ele pedir ajuda”, afirmou.

Após receber a doação da cesta básica, a reação da família foi de comoção. Ainda segundo o tenente, todos ficaram “emocionados por poder se alimentar”.

Agora, o batalhão tem buscado mobilizar pessoas que tenham interesse em ajudar e se colocou à disposição para receber outras doações. Mas, embora estejam recebendo ligações de moradores, nenhuma ajuda foi entregue no local.

*Com informações do IG

Leia mais:

Câmara aprova projeto que acaba com as saídas temporárias de presos

Justiça anula júri que condenou réus por tragédia na Boate Kiss

Esquema de trânsito para Rock in Rio terá bloqueios com cancelas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.