×
Reclamações

“Me senti humilhada”, diz paciente que alega ter sido maltratada na FCecon, em Manaus

Pacientes procuraram o Em Tempo para reclamar do atendimento de alguns servidores da unidade

Manaus (AM) – A demora por exames e consultas, além de denúncias de grosseria e maus-tratos por parte de alguns servidores da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), tem gerado dor de cabeça em pacientes da unidade hospitalar, que procuraram o Em Tempo para denunciar a situação.

A dona de casa Maria do Rosário, de 35 anos de idade, mora no São José, Zona Leste da capital, e conta que demorou meses para conseguir uma simples consulta.

“Para falar com o médico, foi aquela luta, e eu estava com muitas dores na região abdominal. Teve um dia, de manhã, que fui muito maltratada por uma pessoa da recepção. Não teve, por mim, a mínima empatia, vendo meu momento de dor”,

disse.

Outro que reclama é o aposentado Raimundo Nonato, de 70 anos. De acordo com ele, ao conseguir uma consulta com uma médica do local, foi tratado às ‘patadas’.

“Não sei porquê essa pessoa escolhe a medicina, se não sabe lidar com as pessoas. A gente já vem caindo pelas tabelas, atravessando a cidade toda. Moro lá no Jorge Teixeira, saí cedo de casa nesse dia, e ainda para ser tratado como um cachorro velho. Não aceito isso”, comenta.

Se a situação de quem faz tratamento e mora em Manaus é difícil, ela se torna ainda mais complicada quando o paciente vem do interior do estado. Geralmente, de municípios bem distantes, como é o caso de Socorro Gomes (nome usado para preservar a identidade), que está há 4 meses em Manaus e veio de Urucurituba (distante a 273 quilômetros da capital).  

Segundo ela, que faz tratamento para câncer uterino, durante um procedimento, teve de aguentar a ‘grosseria’ de um enfermeiro.

“Tem muito médico maravilhoso no hospital, tem muito enfermeiro humano. A maioria dos profissionais que trabalha lá trata a gente muito bem. Mas, por esses que tratam a gente mal, todos acabam pegando a fama. Tinha sido tratada muito bem pela minha médica e mandaram esse enfermeiro para me auxiliar. O homem fazia uma cara de poucos amigos e me falava coisas como “bora, maninha, te apressa” na hora que eu tive que fazer meu exame. Me senti humilhada”,

desabafa.

O estudante Renan Maia, de 18 anos de idade, conta que a mãe, que veio de Itacoatiara (distante a 176 quilômetros de Manaus) e está em uma quitinete alugada nas proximidades da unidade hospitalar, foi recentemente maltratada por um servidor da FCecon e está indignada.

“Vim acompanhando ela pelas dificuldades de tratamento no interior e por aqui ser referência. Minha mãe vende salgados para sobreviver e eu ajudo ela, aqui. Alugamos para ficar perto do tratamento dela e passar por isso foi muito dolorido para ela. O pessoal desse hospital é ‘de boa’. Algumas pessoas que estragam. Tomara que a direção veja isso”, disse.

Resposta

Nossa equipe de reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação do hospital para relatar as reclamações. Por meio de nota, a FCecon informou que “preza pelo atendimento humanizado e de qualidade a todos os usuários do sistema público de saúde e orienta que o paciente ou acompanhante que possua alguma queixa a fazer contra servidores da instituição, que procure a Ouvidoria da Fundação para registrar o caso. A Ouvidoria é o setor responsável por encaminhar as queixas para a devida apuração”, disse a nota.

Leia mais:

Pacientes denunciam mal atendimento na Fundação Cecon, Zona Centro-Oeste de Manaus

Em evento, diretor da FCecon fala de avanços no tratamento do câncer no AM

FCecon capacita técnicos em radiologia do interior do Amazonas

Comentários:

  1. “FCecon informou que “preza pelo atendimento humanizado e de qualidade a todos os usuários ”
    Isso é mentira… minha irmã com uma metástase na cabeça sofria com dores… falei ao médico que quando mexia a cabeça sentia fortes dores… Sabem qual foi a resposta do tal médico? “É SÓ ELA NÃO MEXER A CABEÇA”… naquele momento quis pular no pescoço dele e esganá-lo. O atendimento é péssimo e o hospital é imundo… fede. A dor dos mal tratos é maior que a dor da doença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.