×
Projeto esportivo

“Craques do Cophasa” é o novo projeto socioesportivo do Amazonas

Novo núcleo do Pelci atende 220 crianças e jovens com aulas de futebol de campo

Craques do Cophasa
s aulas de futebol acontecem nas segundas, terças e quintas-feiras, com turmas de alunos de 5 a 13 anos e de 14 a 20 anos. - Rudson Renan/Faar

Manaus (AM) – Como incentivo ao esporte de base, o Governo do Amazonas anunciou, na terça-feira (17), o Campo do Cophasa como novo núcleo do Projeto Esporte e Lazer na Capital e Interior (Pelci).

Com 220 crianças e jovens, de 5 a 20 anos, o espaço na zona Oeste terá aulas de futebol de campo coordenado pela Fundação Amazonas de Alto Rendimento (Faar).

De uma forma especial estamos fomentando o projeto Craques do Cophasa, estamos abraçando essas crianças com o Pelci. Sabemos que o Pelci abrange não só o alto rendimento, mas também o esporte comunitário. Assim, cada real aplicado no esporte serve para contribuir com a segurança pública, porque com certeza sairão daqui campeões, seja no esporte ou na cidadania”, disse Jorge Oliveira, diretor-presidente da Faar.

Rudson Renan/Faar

As aulas de futebol acontecem nas segundas, terças e quintas-feiras, com turmas de alunos de 5 a 13 anos e de 14 a 20 anos. O horário das aulas é das 18h às 21h.

Os mais jovens treinam nas segundas e terças-feiras, das 18h às 19h15; nos mesmos dias, a equipe de 14 a 20 anos entra logo na sequência, no horário das 19h30 às 21h. Nas quintas-feiras, das 18h às 19h15, a turma de 14 a 20 anos realiza mais uma atividade semanal.

A estrutura que o Pelci oferece ao novo núcleo conta com bolas de futebol, cones, bambolês, kit apito e cartões, bomba de encher bola, rede de futebol, colete e rede de proteção.

Monitora do projeto, Ana Beatriz Maciel foi contratada pelo governo para atuar profissionalmente à frente do projeto.

“É uma satisfação ver que começamos com cinco alunos e hoje temos mais de 200 inscritos. Estamos aqui para trazer esporte, educação, trazer lazer e, principalmente, tirar jovens e adolescentes da rua”, apontou a profissional.

Moradora do bairro Nova Esperança, há mais de 30 anos, Eglantina Soares comemorou as novas vagas disponibilizadas pelo projeto.

Estou muito feliz, porque não tínhamos algo assim antes e isso incentiva as crianças a não estarem na rua. O esporte traz educação, é um incentivo para os jovens sonharem, ainda mais para o meu filho que ama o futebol e deseja ser jogador um dia”, comentou.

Início de um sonho

Buscando contribuir para a formação de novos atletas, a professora contou como começou a iniciativa do projeto.

Começamos o projeto um pouco antes da pandemia, no início tínhamos cinco alunos, todos goleiros, aí passou o tempo, conversei com pessoas que organizam o tempo no campo, reservamos alguns horários e retomamos o projeto. Foi quando voltamos com força total em fevereiro deste ano, com intuito de promover uma ação que oferecesse oportunidade no esporte”, disse Ana Beatriz.

*Com informações da Agência Amazonas

Edição Web: Bruna Oliveira

Leia mais:

CDC da Compensa é o mais novo núcleo do Pelci em Manaus

Com investimento de R$ 950 mil, governador entrega mais dois espaços esportivos em Manaus

Em entrevista, Jorge Oliveira destaca avanços para o esporte do Amazonas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.