×
crime

Flow Podcast perde patrocínios após apresentador defender partido nazista

"Eu acho que tinha de ter o partido nazista reconhecido pela lei", disse Bruno Aiub, conhecido como 'Monark'

Monark defende nazismo em episódio do Flow
Monark já divulgou vídeo nas redes onde pede "desculpa", pois estava "bêbado"

Após Bruno Aiub, conhecido como Monark, defender a existência de um partido nazista no Brasil, durante um episódio, na noite desta segunda-feira (8), do Flow Podcast, patrocinadores romperam com o influencer.

Na conversa com os deputados federais Tabata Amaral (PSB) e Kim Kataguiri (Podemos), Monark cita “Se o cara quiser ser antijudeu, eu acho que ele deveria ter o direito de ser”.

O apresentador perdeu os direitos de exibição do Campeonato Carioca e foi repudiado por associações e federações israelitas. O podcast também perdeu patrocinadores., como iFood, Lacta e Puma.

A repercussão catastrófica do episódio fez com que as marcas patrocinadoras do programa se posicionassem e retirassem seu apoio comercial. O iFood, por exemplo, manifestou nas redes sociais informando que “não mantém mais relação comercial com o Flow”.

Já a Flash Benefícios informou que “diante de absurdos como esse é preciso agir e, desta forma, solicita o formal e imediato da relação contratual com os Estúdios Flow.

As marcas Puma e Mondelez Brasil, dona dos chocolates Bis, informaram nas suas redes que fizeram ações pontuais com o programa, patrocinando apenas episódios específicos, de forma isolada.

Apologia ao nazismo

O programa era transmitido com a presença dos deputados federais Kim Kataguiri (Podemos) e Tabata Amaral (PSB), que retrucou o discurso do apresentador, classificando as ideias como apologia a “ideologias que ameaçam a existência e integridade de pessoas ou grupos, sejam judeus, PCD, negros ou LGBTQIA+”.

Após a repercussão negativa, Monark divulgou um vídeo nas redes sociais nesta terça-feira (8) e alegou que estava bêbado.

“Eu sou mais louco do que vocês. A esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. As duas tinham que ter espaço, na minha opinião […] Eu acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido pela lei”, disse Monark.

Tabata rebateu, ponderou classificando as ideias do apresentador como “esdrúxulas” e citou o holocausto na Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial, período marcado pelo extermínio de mais de 6 milhões de judeus.

Mesmo repudiando o apresentador na transmissão, internautas questionaram a permanência da deputada até o fim do programa e a foto em que posou sorridente ao lado do apresentador. Internautas também pediram a prisão de Monark.

Confira trecho do podcast:

*Com informações do Metrópoles

Leia mais:

Nego do Borel é denunciado por violar medida protetiva; entenda

Marido de Jojo tem crise de ciúmes e quebra restaurante em lua de mel

Veja quem está cotado para sair no terceiro paredão do BBB22

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.