×
Manifestação

Motoristas de app pedem justiça por agressão a colega após corrida em Manaus

Os motoristas denunciam também os policiais por conta dos tiros com bala de borracha

O caso ocorreu no último sábado (2) (Foto: Reprodução)

Manaus (AM) – Dezenas de motoristas de aplicativos se reuniram, na manhã desta segunda-feira (4), em uma manifestação na avenida Campos Sales, no bairro Santa Etelvina, na Zona Norte de Manaus, para prestar apoio ao colega que foi agredido, na noite de sábado (2), após uma confusão por troco na zona Centro-Oeste. O suspeito das agressões seria namorado da passageira que a vítima prestou serviço.

A manifestação ocorreu ao lado de uma base da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). O grupo aproveitou para repudiar a atuação de policiais militares que, segundo eles, também agrediram o rapaz e receberam os profissionais com tiros de bala de borracha na frente do Comando Especializado de Polícia (CPE) no bairro Dom Pedro.

“Tudo aconteceu após uma corrida por aplicativo, a mulher iria desembarcar no Alvorada e ao finalizar a corrida ela me deu uma nota de R$ 100. Informei que não tinha troco, pois, a corrida tinha dado R$ 9 e eu havia acabado de iniciar minhas atividades. Ela desceu do carro para destrocar o dinheiro e foi quando apareceu o agressor dizendo que era para eu ir embora. Afirmou que era lutador de artes marciais e quando desci do carro para conversar já me agrediu brutalmente”, relatou a vítima Ruan Jorge, de 24 anos, que atua na profissão há, pelo menos, cinco anos.

Ruan afirma que o agressor foi até a sede do CPE para se esconder e teria sido resguardado pelos policiais.

“Fui chamado para ser ouvido e não demorou 20 segundos para que eu fosse agredido pelos próprios policiais. Totalmente debilitado, peguei pontapés e ainda me deram um tiro de bala de borracha na covardia. O agressor por várias vezes disse que iria me matar e ainda tentou me atropelar”, disse.

Durante a agressão, o motorista teria conseguido acionar um grupo de motoristas de aplicativo de patrulha, que se deslocaram até o local e iniciaram uma busca ao agressor.

Revoltados, os colegas de trabalho manifestaram em frente ao Comando de Policiamento e tentaram invadir o local, segundo nota divulgada pela PM.

Para impedir a invasão, policiais responderam à ameaça com tiros de borracha, que destruiu vidros de carro e atingiu manifestantes. Vídeos circulam nas redes sociais e mostram toda a confusão e os ferimentos dos motoristas.

“Queremos justiça e precisamos de providências da corregedoria, pois os servidores públicos deveriam ter levado o meliante à delegacia e não protegê-lo e depois dizer que nossa classe tentou invadir o quartel. Ninguém em sã consciência invadiria uma base policial, isso foi dito para justificar a agressão contra a classe”, disse o representante dos motoristas de aplicativo, Alexandre Mathias.

A reportagem solicitou informações da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) sobre os procedimentos adotados e aguarda resposta.

Leia Mais

Bebê de 1 ano morre com sinais de estupro e agressão; mãe e padrasto são suspeitos

PL garante que mulheres vítimas de agressão sejam informadas sobre relaxamento penal de agressores

Justiça decreta prisão de diretor da Gaviões por agredir parintinense em SP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.