×
Segurança

Governo dos EUA considera enviar forças especiais para proteção da embaixada em Kiev

Segundo fontes, as discussões estão em estágios muito preliminares e uma proposta não foi apresentada ao presidente Joe Biden

Divulgação

O governo Biden está nos estágios iniciais das discussões sobre o envio de forças de operações especiais à Ucrânia para ajudar a proteger a Embaixada dos Estado Unidos em Kiev, disseram vários funcionários dos EUA à CNN.

As discussões estão em estágios muito preliminares e uma proposta não foi apresentada ao presidente Joe Biden para uma decisão, acrescentaram as fontes.

Por enquanto, a embaixada e seu número limitado de funcionários são protegidos por oficiais de segurança diplomática do Departamento de Estado.

A discussão gira em torno de se um aumento na segurança é necessário, se o número de pessoas vai aumentar e se as forças de operações especiais estão melhor equipadas para atender a esses requisitos.

A informação primária de que as forças de operações especiais estão sendo consideradas para a segurança da embaixada é do Wall Street Journal.

Os fuzileiros navais dos EUA normalmente protegem as embaixadas dos EUA em todo o mundo, mas em Kiev, por enquanto, há um acordo geral de que o pessoal típico da guarda da embaixada do Corpo de Fuzileiros Navais pode não ser adequado para o quadro de segurança na Ucrânia sem forças adicionais, dizem autoridades.

Na semana passada, o porta-voz do Pentágono, John Kirby, disse que o Departamento de Defesa estava conversando com o Departamento de Estado sobre como seriam seus requisitos de segurança.

“Estamos tendo essa conversa com o Departamento de Estado sobre como podem ser seus requisitos de segurança, mas, em última análise, cabe ao secretário de Estado determinar lá ou em qualquer outro lugar do mundo, como ele deseja proteger melhor seus diplomatas e se houver um papel que possamos desempenhar, teremos essa discussão com eles”, disse Kirby.

Os EUA não acreditam que a Rússia atacaria abertamente a embaixada. Mas a preocupação é que as defesas aéreas ou mísseis russos possam inadvertidamente atingir o complexo e a situação possa aumentar drasticamente a situação, dizem as autoridades.

Autoridades dos EUA dizem que a Rússia tem um entendimento completo em uma base oficial de que os EUA usam militares para proteger suas embaixadas em todo o mundo e qualquer presença não deve ser vista como escalada.

Ainda assim, a introdução de forças dos EUA na Ucrânia pode levantar preocupações de que possa levar a uma percepção de escalada dos EUA, já que Biden tem sido inflexível de que as tropas terrestres dos EUA não lutarão na Ucrânia.

A preocupação é que, se as forças de operações especiais entrarem na Ucrânia, os EUA devem ser capazes de fornecer um meio rápido de tirar eles e o pessoal da embaixada em uma crise. Atualmente, as únicas opções são o transporte rodoviário ou ferroviário até a fronteira.

Por enquanto, não há intenção do Pentágono para fornecer apoio aéreo, como helicópteros ou transporte de asa fixa. Se isso fosse feito, poderia aumentar rapidamente a pegada militar dos EUA devido à necessidade de fornecer forças potenciais de resgate e reconhecimento se um avião do país fosse derrubado.

A nova embaixadora dos EUA na Ucrânia, Bridget Brink, foi confirmada pelo Senado na semana passada, mas ainda não chegou ao país. Ela poderia entrar sem proteção dos fuzileiros navais ou forças especiais, disse uma fonte.

A embaixada foi reaberta na semana passada depois de estar fechada por cerca de três meses.

“Hoje estamos retomando oficialmente as operações na Embaixada dos EUA em Kiev”, disse o secretário de Estado Antony Blinken.

“À medida que damos este importante passo, apresentamos medidas adicionais para aumentar a segurança de nossos colegas que estão retornando a Kiev e aprimoramos nossas medidas e protocolos de segurança”.

*Com informações da CNN

Leia mais:

Rússia proíbe entrada do presidente dos EUA e de mais 962 americanos

Projeto Astrominas tem inscrições abertas até o dia 29 próximo

Cidade de Donbas é destruída por russos, anuncia Zelensky

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.