×
Família em perigo

Família ucraniana se esconde em porão para fugir de bombardeios russos

Casal de ucranianos e duas filhas, de 13 e 8 anos, relataram ao jornal britânico The Sun como a os ataques russos tem afetado a vida da família

Os ataques da Rússia contra a Ucrânia mudaram drasticamente a vida da população ucraniana que se encontra ameaçada. O casal Alexei e Natália, juntamente com suas filhas, vivem na região leste do país, local que foi o primeiro a receber ações do contingente exército de Vladmir Putin. Ao todo, somam-se mais de 10 mil soldados russos presentes nas cidades de Donetsk e Luhansk.

Ao tabloide britânico, Alexei, 38 anos e Natalia, 36, pais de duas meninas de 13 e 8 anos, disseram que os ataques russos trouxeram “terror” para seu dia a dia, obrigando-os a se esconder em porões para escapar dos bombardeios e provocando falta de água e energia. Os nomes reais do casal ucraniano não foram divulgados por questões de segurança.

“Achávamos que tínhamos encontrado a casa dos nossos sonhos, mas agora é um pesadelo acordado – temos que nos esconder no porão de um vizinho quando ouvimos os bombardeios”,

disse Alexei ao jornal.

Alexei e Natalia começaram a construir a casa onde vivem com as filhas em 2011, mas agora precisam deixá-la sempre que uma bomba explode no bairro.

“Não temos um porão, então quando o bombardeio fica pesado, corremos para o nosso vizinho”, disse Natalia. “Nos últimos, não dormi. Ouvimos constantemente tiroteios. As crianças aprenderam, de alguma forma, a dormir com o barulho – embora às vezes acordem – mas eu fico acordada a noite inteira porque tenho medo por elas. É muito assustador”

Alexei relatou ainda que a maior parte da cidade de Donetsk não tem mais eletricidade ou água. “Nossa casa tem um poço próprio, mas precisamos de eletricidade para bombeá-lo”, afirmou ao The Sun. “Descobri como conectar uma bateria de carro à bomba para pegar água e é assim que estamos vivendo. Só conseguimos manter contato com o mundo exterior porque carregamos o telefone no carro.

A família recusou a oferta de evacuação para a região de Rostov, na Rússia, à medida que os combates se intensificaram. Alexei disse que preferem ficar e enfrentar a tempestade que se aproxima: “Por que iríamos para lá? Não há nada para nós lá e somos ucranianos, não russos”. Natalia diz temer pela saúde física e mental de suas filhas.

“Não é nossa guerra. Nós não começamos e não queremos participar. Queremos viver como pessoas normais. Não fizemos nada para merecer ser usados como escudos humanos. Ouvi falar de feridos e mortos, mas até agora Deus teve misericórdia de nós e ainda não vimos com nossos próprios olhos. Só posso rezar para que esse dia nunca chegue”,

declarou a mãe.

Nesta quinta-feira (24), Putin lançou oficialmente uma “operação militar especial” no território ucraniano para “proteger” parte da população do país que apoia a Rússia e, na visão do Kremlin, “foi vítima de genocídio e bullying nos últimos oito anos”. O governo ucraniano nega as acusações.

*Com informações da Revista Crescer

Edição: Leonardo Sena

Leia mais:

Líderes políticos do Brasil se posicionam em meio à guerra entre a Rússia e Ucrânia

Bolsonaro desautoriza Mourão por fala sobre a Ucrânia: “Competência é minha”

Por que a Rússia está atacando a Ucrânia? Entenda o conflito

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.