×
Editorial

Quando o mundo será melhor ?

O mundo voltou a ficar inseguro, à mercê das idiossincrasias das chamadas grandes potências.

Divulgação

Todos se lembram da queda do Muro de Berlim, em 1989, com o fim da União Soviética. Ali, a humanidade chegou a imaginar que o mundo seria melhor, que haveria verdadeiro respeito à autonomia dos povos, à democracia e aos direitos de fronteira, enfim, respeito aos mais elementares direitos humanos.

Com o Muro no chão, muitos pensaram que o mundo havia encerrado a barbárie e que um novo “boom” de pleno progresso e paz seria iniciado, com os países convivendo em perfeitas relações de boa vizinhança. A chamada Guerra Fria seria varrida para sempre dos livros de história e da memória de quantos sonharam e lutaram contra as ditaduras.

Mas, o tempo passou e logo surgiram novas conflagrações, algumas causadas por competições econômicas, outras por desentendimentos religiosos ou ideológicos, até se chegar ao atual quadro de tensão entre Rússia e Ucrânia, com os Estados Unidos, premidos por interesses geopolíticos e econômicos, dispostos a tudo.

E eis que o mundo voltou a ficar inseguro, à mercê das idiossincrasias das chamadas grandes potências. De um lado, Vladimir Puttin defende a “segurança indivisível” da Rússia em relação a Ucrânia. Do outro, o norte-americano Joe Biden tamborilando a velha cantilena da democracia ocidental, uma cantilena que, no fundo, sempre viveu de guerras.

Especialistas em política internacional afirmam que a crise ucraniana mostra que os EUA não mandam mais no mundo sozinhos, como ocorreu até cair o Muro de Berlim. A Rússia e a China possuem consciência disso e não perdem tempo em dar as cartas sobre como devem ser agora as relações internacionais. Dizem os especialistas que o mundo de hoje é assim, como previu certa vez Henry Kissinger, mais próximo da tragédia, muito distante da paz.

Leia mais:

Amaturá, no Alto Solimões, é o município brasileiro com menor índice de imunizados contra a Covid-19

Escalada da destruição na Amazônia

Barroso vai restringir Telegram e adverte plataformas sobre fake news

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.